TJRN alerta para golpe em que criminosos se passam por advogados para enganar vítimas no RN; veja como evitar

Prédio fachada sede do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte RN TJRN — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
Prédio fachada sede do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte RN TJRN — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Por g1 RN — O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) emitiu um comunicado de alerta à população em relação à atuação de golpistas que têm se passado por advogados para enganar vítimas e tirar dinheiro delas através de transferências bancárias por Pix. (Veja mais abaixo dicas para evitar cair no golpe).

Segundo o TJRN, o fraudador entra em contato pelo WhatsApp e envia um arquivo em PDF de uma sentença falsa que seria relacionada à pessoa. Ao final, ela pede uma transferência para consumar o golpe.

De acordo com TJRN, muitas das vítimas são pessoas idosas e algumas delas esperam de fato o resultado de alguma decisão judicial, o que acaba dando credibilidade à história do golpista.

“Eles chegam a usar nomes de advogados conhecidos no estado e de magistrados da Justiça Estadual”, explicou o juiz auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), Diego Cabral.

O TJ explicou que os falsários utilizam nome de magistrados e cabeçalho com nome de autoridades para dar credibilidade à prática delituosa.

Além disso, eles tentam manter uma conversa com a vítima até conseguirem a efetivação do pix, como se este pagamento fosse condição imprescindível para recebimento da quantia que a pessoa contatada teria direito, após a suposta decisão judicial

“É preciso tomar cuidado quando se recebe mensagem via WhatsApp ou outro aplicativo de mensagens”, explicou o magistrado.

Na modalidade atual, o fraudador utiliza número de processo existente, mas que nada tem a ver com o assunto que ele está abordando na mensagem.

Algumas dicas são importantes na hora de reconhecer se a mensagem enviada pode ser uma fraude, segundo o TJ. Veja abaixo:

Segundo o TJRN, dificilmente uma unidade judiciária vai entrar em contato diretamente com um cidadão sobre recebimento de dinheiro.