Conselho de Ética aprova censura verbal ao deputado Delegado da Cunha

Deputado Delegado da Cunha fala ao microfone
Delegado da Cunha será advertido pelo presidente da Câmara - Bruno Spada/Câmara dos Deputados

Por Câmara dos Deputados — O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (15) o parecer do deputado Albuquerque (Republicanos-RR) que recomenda uma censura verbal ao deputado Delegado da Cunha (PP-SP).

De acordo com o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, a censura verbal será aplicada pelo presidente da Câmara, em sessão, ou por presidente de comissão, durante suas reuniões, ao deputado que atentar contra as regras de boa conduta nas dependências da Casa.

Por 13 votos a 5, será arquivada a Representação 3/24, na qual o Psol acusou Delegado da Cunha de quebra de decoro parlamentar em razão da denúncia de agressão feita pela ex-companheira. Ele assumiu que houve uma discussão.

Pedido de desculpas
Depois da decisão, Da Cunha pediu desculpas à ex-companheira e aos filhos. “Quero publicamente me desculpar, não admitindo o erro, eu e a minha ex-companheira estamos sendo punidos por todo esse desgaste público”, disse.

A maioria dos integrantes do Conselho de Ética entendeu que o episódio ainda está sob investigação, daí a necessidade de aguardar os desdobramentos. Por outro lado, houve recomendações favoráveis à censura a Delegado da Cunha.

Durante a reunião, vários parlamentares ressaltaram que os casos de violência contra as mulheres merecem repúdio e não podem ficar impunes. Além disso, avaliaram, da pessoa pública exige-se conduta adequada fora e dentro de casa.

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Natalia Doederlein