Candidatos celebram queda do desemprego no Estado e falam seus planos para o setor — Foto: Reprodução

Por Agora RN — Os candidatos ao Senado Federal pelo Rio Grande do Norte falaram com exclusividade ao AGORA RN, nesta quarta-feira 3, sobre o saldo positivo registrado na geração de empregos com carteira assinada no Estado. Conforme dados do Caged, de janeiro de 2019 a junho de 2022, foram criados no Estado 38.440 postos de empregos formais e, somente em junho passado, foram 3.606 contratações com vínculos formais no Rio Grande do Norte.

Entre os candidatos ao Senado que receberam a notícia da redução do desemprego no Estado com bons olhos, estavam Carlos Eduardo Alves (PDT), Dário Barbosa (PSTU) e Freitas Júnior (Psol). Eles comemoraram os números positivos e também falaram o que acreditam ser o mais indicado para alavancar a geração de emprego e renda no Rio Grande do Norte, que incluíram em seus planos de gestão. Já os candidatos Rafael Motta (PSB) e Rogério Marinho (PL), embora tenham sido contatados desde esta terça-feira 2, não retornaram as mensagens da reportagem do AGORA RN.

O candidato Carlos Eduardo Alves (PDT), aliado da governadora Fátima Bezerra (PT), comemorou os números e reforçou que o Rio Grande do Norte vive um processo de retomada do crescimento econômico, na medida em que recuperou sua capacidade de investimento e, consequentemente, restabelecendo a geração de trabalho e renda. Ele disse que, sendo eleito, uma de suas principais bandeiras será em favor da geração de mais postos de trabalho.

“Só vamos conquistar isso quando tornarmos realidade um porto. Precisamos dessa logística para interiorizar a indústria, porque a agricultura e o comércio não oferecem os salários que esta. Somos um Estado de grandes riquezas naturais, gás, petróleo, fruticultura, sal, minérios, barrilha e potencial turístico. O Brasil importa 60% de sua necessidade, quando nós temos barrilha suficiente para livrar o país dessa dependência de importação”, explicou.
O pedetista, defendeu ainda que a construção do porto é fundamental para continuar o dinamismo na economia do Estado e incrementar o desenvolvimento deste na Região Nordeste.

“Salários dignos e acabando com a fome”, defende Freitas Júnior

O candidato ao Senado Freitas Júnior (Psol) afirmou que, sendo eleito senador da República, proporá a revogação da reforma trabalhista e a anulação do teto de gastos, permitindo que o país tenha capacidade de investimento e retomada do crescimento, com salários dignos e acabando com a fome.

“A solução não virá de apenas uma proposta, mas de alguns projetos que vamos apresentar, como o projeto de reforma tributária onde os impostos serão progressivos, quem ganha mais vai pagar mais e quem ganha menos vai pagar menos impostos, além de taxar as grandes fortunas, artigos de luxo, lucros, dividendos e heranças, e isentar o imposto de renda de que ganhar até R$ 5mil mensais. A revogação da reforma trabalhista, garantindo segurança para os trabalhadores e a revogação do teto de gastos, permitindo que o país tenha capacidade de investimento e retomada do crescimento, com salários dignos e acabando com a fome e a carestia”.

Segundo Freitas Júnior, “para avançar o Rio Grande do Norte precisa valorizar sua vocação, fortalecer políticas públicas que faça do nosso Estado um lugar com mais distribuição de renda, girando a economia na base da pirâmide e industrializar o interior do RN respeitando o meio ambiente, investindo em mais tecnologia com produtos de alto valor agregado”, defendeu.

Ele ressaltou que para continuar atraindo investidores para o Rio Grande do Norte é preciso fortalecer as universidades, fomentar a pesquisa e o domínio de tecnologias que permitam a atração de empresas em virtude de nossas condições naturais, como o sol e o vento e também por termos mão de obra qualificada.

“É fortalecer políticas públicas que façam do nosso Estado um lugar com mais distribuição de renda, girando a economia na base da pirâmide e industrializar o interior do RN, respeitando o meio ambiente, investindo em mais tecnologia com produtos de alto valor agregado”, pontuou.

“Precisamos avançar contra a exploração e a acumulação de riquezas”, diz Dário

O candidato ao Senado Dário Barbosa (PSTU) defende que, para combater a fome e o desemprego no Rio Grande do Norte, precisamos avançar contra a exploração e a acumulação de riqueza nas mãos de uma minoria de bilionários. “Temos que cobrar um forte imposto progressivo sobre o faturamento das grandes empresas, aliando isso a um Plano de Obras Públicas e Estatais no Estado. Não há saída para os trabalhadores e o povo potiguar se não rompermos com a dominação das oligarquias, dos ricos e poderosos do RN”.

E continuou, ao afirmar que é, “precisamos lutar e nos organizar com independência de classe, exigir a revogação de todas as medidas contra os trabalhadores e trabalhadoras, cobrar os devedores do Estado e taxar as grandes fortunas, por exemplo. Só uma alternativa socialista e revolucionária pode enfrentar os interesses dos ricos e garantir os direitos do povo potiguar”, finalizou.