Sessão Plenária desta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa. — Foto: João Gilberto


Durante a Sessão Plenária desta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa, os deputados Michael Diniz (SDD) e Coronel Azevedo (PL) discursaram sobre temas de ordem política, religiosa, de orientação sexual, econômica e da Saúde.

O deputado Michael Diniz iniciou falando sobre a sua visita à Câmara Municipal de Parnamirim, em que discutiu demandas da população com os vereadores. “Hoje eu fiz uma visita à Câmara de Vereadores de Parnamirim e analisei algumas demandas do município, que há muito tempo estava carente de representação nesta Assembleia, mas isso mudou com a minha chegada. Verificamos alguns lugares próximos ao CT do América, que têm problema de trânsito; discutimos os problemas estruturais na Avenida Olavo Montenegro; dentre outros tópicos”, disse, garantindo que “Parnamirim agora tem um braço forte” e agradecendo a todos que estão apoiando seu mandato.

Na sequência, o deputado externou sua indignação após ler a notícia de que uma Miss transexual se vestiu de Nossa Senhora para participar de uma sessão fotográfica.

“Esta semana aconteceu um fato inusitado, que foi divulgado num blog aqui do Estado: eu me deparei com a notícia de que a ‘Miss trans’ se vestiu de Nossa Senhora e fez uma sessão de fotos. Não pode desrespeitar a fé alheia. Trata-se de uma falta de respeito”, criticou.

Seguindo seu discurso, o parlamentar convocou os fiéis da Igreja Católica para comparecerem ao evento “Marcha Para Jesus”. “Seria bom a população do RN comparecer em massa à ‘Marcha para Jesus’, que vai acontecer dentro de alguns dias, para mostrar que boa parte da nossa sociedade é conservadora”, convidou.

Por fim, o parlamentar ressaltou que respeita os homossexuais, e que seu desprezo é pelo Movimento LGBTQIA+.

Em seguida, o deputado Coronel Azevedo (PL) elogiou o desempenho do Governo Federal com relação à Economia, bem como recriminou o veto integral do governo estadual ao Projeto de Lei nº 384/2021, de sua autoria, que visa proibir discriminação às pessoas não vacinadas contra a Covid-19, no RN.

“Nós vivemos um período de recuperação da Economia, em todo o mundo. E apesar da guerra, o Brasil tem se destacado. Nós estamos com a menor taxa de desemprego, desde que esse indicador foi criado no País. Nos governos do PT, mesmo com as benesses da Copa do Mundo e das Olimpíadas, as taxas de desemprego eram altíssimas. Então, eu quero parabenizar o governo Bolsonaro, que está sendo referência internacional de desempenho na Economia”, destacou.

Na sequência, o parlamentar criticou a atitude da governadora Fátima Bezerra (PT) em vetar integralmente o PL de sua autoria que proíbe o tratamento discriminatório às pessoas não vacinada contra a Covid-19, no âmbito do Estado.

“Eu quero deixar claro que não sou contra a vacina. O Brasil é referência mundial em vacinação, especialmente contra a Covid-19. Fomos até convidados pela OMS para integrar o grupo de países que vão falar sobre as políticas de Saúde para o futuro da humanidade. E o presidente Bolsonaro conduziu isso muito bem. Mas eu sou defensor da liberdade. Eu acho que cada cidadão deve analisar os benefícios e os riscos das vacinas e tomar sua decisão”, explicou.

Concluindo seu discurso, Azevedo disse que a Pfizer publicou uma lista de 1.291 efeitos colaterais graves da vacina. “Por isso, nós somos contra o passaporte vacinal que a governadora implantou no nosso Estado. Mesmo tendo desviado recursos da pasta, através do Consórcio Nordeste, ela quis se travestir de defensora da Saúde, exigindo esse documento que não serve para nada, visto que a vacina não evita o contágio nem a transmissão”, finalizou.