Fredinho estudou dois anos gastronomia e se formou no fim de 2021 em Natal — Foto: Divulgação

Por Leonardo Erys, g1 RN — “Senhoras e senhores, neste momento estamos tendo o privilégio de vermos a história passando na nossa frente. A partir de agora, Fredinho passa a ser a primeira pessoa com Síndrome de Down a ter diploma de nível superior em gastronomia aqui no nosso estado”.

As palavras são do jornalista Fred Carvalho e foram externadas durante discurso na festa de formatura da turma de gastronomia da Uninassau em Natal, que aconteceu no último dia 18. Entre os formandos, estava o filho dele, Fred Carvalho Filho, de 20 anos.

Fredinho, como é carinhosamente chamado, realizou o sonho de se formar no curso que desejava no ensino superior neste fim de 2021 e se tornou a primeira pessoa com Síndrome de Down no Rio Grande do Norte a ter o diploma de gastronomia.

Entre o ingresso no curso e a conclusão, Fredinho teve que superar mais do que a pandemia e as aulas on-line no meio do caminho, mas também a desconfiança ao ingressar num curso superior e o preconceito.

O pai, Fred Carvalho, conta que eles procuraram inicialmente três universidades que ofereciam o curso de gastronomia – duas delas interessaram.

“Nós procuramos uma primeiro e eles claramente fizeram um vestibular para Fredinho não passar. É importante sempre dizer que Fredinho não é alfabetizado ainda, ele está em processo de alfabetização”, contou.
Foi quando apareceu a segunda instituição. “A gente procurou a Uniassau e eles nos disseram: ‘a gente quer Fredinho aqui e vamos fazer toda a adaptação possível'”, lembra.

Estudando junto

Mesmo com a universidade disposta, uma única lacuna ficou aberta: a instituição não contava com alguém para acompanhar Fredinho naquele momento. Foi aí que Fred decidiu trilhar mais esse caminho ao lado do filho.

“Eu disse a eles que me dispunha a ajudá-los. Assim, eu aliaria o útil ao agradável: ganharia uma nova formação e ajudaria o meu filho a realizar o sonho dele”, contou.

Fred conta que tinha receio de que, por conta do trabalho e de outras atividades, não conseguisse acompanhar o ritmo da universidade e o filho. “Eu tive esse medo no começo, mas como eu sempre acreditei no potencial dele, então a gente entrou pra valer”, reforçou.

O trabalho ficou mais fácil quando ficou nítido que a turma e os professores seriam aliados nessa trajetória.

“Embora na rua ainda exista preconceito, no curso, eu posso garantir que ele foi super bem recebido por todo mundo, de professores a alunos, com muito carinho”.
Fred conta que o curso foi todo adaptado para Fredinho, priorizando um ensino mais compreensível a ele, sem deixar de oferecer os conteúdos abordados no curso.

Esse processo inclusivo também era percebido na vontade dos educadores. “Eles nos ofereciam abrir a cozinha aos sábados só para que eu Fredinho pudéssemos aprender, caso fosse necessário”.

Mão na massa

Em março deste ano, Fredinho já conseguiu se inserir no mercado como profissional da gastronomia. Para isso, contou com a ajuda da mãe, Milena Araújo, sócia no “Du Fred Gastronomia”, empresa especializada na produção de molhos artesanais.

“Ele vende os molhos que ele mesmo fabrica. E graças a Deus está dando certo, indo bem. Eu dei uma ajuda pra eles darem o primeiro passo, mas é a mãe dele quem realmente toca projeto. Ela pediu demissão do antigo trabalho para poder acompanhar Fredinho nesse sonho”, contou Fred.

A paixão de Fredinho pela cozinha também nasceu no seio familiar. O pai, Fred Carvalho, se define com um cozinheiro de fim de semana, que tem prazer de preparar pratos para a família.

“Fredinho começou a se interessar pela cozinha. Então, acabando o ensino médio, ele fez um teste vocacional, que confirmou isso. E ele falou que queria cursar gastronomia”.

O abraço da turma

Durante a festa de formatura, no momento da entrada, Fredinho foi ovacionado pelos colegas de sala, pelos convidados da festa, pela família e por todos que presenciaram aquele momento. A euforia pela conquista dele estava estampada nas expressões e percebida nos gritos daquele momento.

O pai, Fred Carvalho, havia sido o indicado para ser o orador da turma. Ele aceitou, mas disse que não se representaria naquele momento.

“Eu disse que aceitava, mas que eu ia incorporar Fredinho ali. Vou ser o orador, mas vou falar sobre ele, como foi a superação dele, a adaptação, o processo de conhecimento”, falou.
Durante o discurso, Fred falou principalmente sobre superação, adaptação e acolhimento. E fez questão de lembrar algo que o iluminou quando o filho nasceu e que também virou resposta para esse importante passo na vida dos dois: “A solução de tudo é através do amor”.