Ávine Vinny (maior), cantor de 'Coração cachorro', e James Blunt (menor), cantor e autor de 'Same mistake', cujo refrão inspirou a melodia do forró brasileiro — Foto: Reprodução

Por Rodrigo Ortega, g1 — Os autores da música “Coração cachorro” cederam 20% da renda da autoria da música para o cantor inglês James Blunt. O forró lançado em 2021 tem um refrão com a melodia de “Same mistake”, balada do músico britânico de 2007. As duas partes negociaram um acordo extrajudicial de forma amigável.

A informação foi confirmada pela Medalha Editora, empresa cearense que administra os direitos dos seis autores brasileiros de “Coração cachorro”. A Medalha cuida dos direitos junto com a Universal Editora, que também confirmou o acordo ao g1.

A Sony Editora, que representa os direitos de James Blunt, já havia informado ao g1 que o inglês e os autores brasileiros estavam acertando os termos do contrato.

Neto Sales, sócio da Medalha Editora, disse ao g1 que este tipo de acordo de autoria conjunta é raro no forró: “Tenho pouca lembrança de ver algo nesse sentido no Brasil. Normalmente o que acontece é artistas internacionais concederem autorização para ‘versões’ da obra original”.

“É o primeiro caso que vejo no forró do autor estrangeiro entrar na ‘parceria’ de composição, ficando assim como um dos autores. A obra anteriormente era assinada por 6 autores e, a partir desse acordo, agora é assinada por 7 músicos, pois o James Blunt passa a ser um dos compositores”.

José Diamantino, advogado da Sony Editora no Brasil, disse anteriormente que o empresário de James Blunt estava acompanhando o acordo.

O refrão com cantores que imitam latidos foi assinado por seis compositores brasileiros e gravado pelos forrozeiros Ávine e Matheus Fernandes. A música a mais tocada no Brasil hoje. Mas a melodia canina é reciclada e tem uma linhagem antiga.

O vídeo era de zoeira, mas o recado era sério

James Blunt postou no dia 26 de outubro um vídeo dançando a música “Coração cachorro” e dando parabéns pelo número 1 nas paradas, mas escreveu na legenda que ia “mandar os dados bancários em breve”.

Ele postou o vídeo em tom de brincadeira, e até então não se sabia se ele ia realmente reivindicar a coautoria.

Os autores do forró brasileiro, até então, admitiram a inspiração, mas negaram que houvesse plágio.