Thalita Vitoria Simplicio Da Silva abraça o guia Felipe Veloso — Foto: REUTERS/Ivan Alvarado

Por Redação do ge — Após conquistar a medalha de prata nos 400 metros T11 para deficientes visuais nas Paralimpíadas de Tóquio, a potiguar Thalita Simplício comemorou o resultado nas redes sociais. Nas palavras dela, esse é um sonho antigo que está se realizando.

– Não tenho palavras para descrever todo esse momento que estou vivendo, tudo é apenas um sonho de uma garotinha que vem se realizando, muito trabalho e muita dedicação para chegar até aqui. Não foi dessa vez o ouro, mas sim, somos vice campeões – disse a medalhista.

A potiguar agradeceu também ao guia, Felipe Veloso, pela parceria de nove anos e por transformar a “pequena bailarina” em medalhista olímpica.

– Eu e meu treinador-guia passamos por muitas coisas juntos nestes mais de 9 anos de carreira, e agora estamos colhendo todo o fruto do esforço e trabalho. Obrigado a toda a minha equipe técnica em especial a você, Felipe Veloso, por fazer daquela pequena bailarina uma vice-campeã paralímpica – escreveu.

Thalita ainda vai competir os 100 e os 200 metros nessas Paralimpíadas e sonha buscar mais medalhas.

Essa é a segunda medalha dela em paralimpíadas. No Rio de Janeiro, em 2016, ela também ganhou uma prata no revezamento 4×100 feminino.

A corrida

Thalita Simplício cruzou a linha de chegada em segundo com o tempo de 56s80. O ouro ficou com a chinesa Cuiqing Liu, com 56s25. Já o bronze foi para a colombiana Angie Lizeth Mamian, com 57s46. Thalita foi guiada por Felipe Veloso da Silva. Após a prova, a comissão técnica brasileira detectou uma suposta irregularidade na corrida de Cuiqing Liu. O Brasil, no entanto, não pretende entrar com recurso contra o resultado.

– É o que eu sempre digo: tudo tem o seu dia e a sua hora. A gente queria o ouro, mas a prata é bem-vinda. Agora vamos com tudo para os 400m. Ontem fui dormir às 2h da madrugada porque estava tratando uma câimbra. Felizmente deu tudo certo – destacou Felipe Veloso.