De acordo com as investigações, Swellen Sauer sofreu diversas agressões do cantor, que teria apresentado contra ela o mesmo comportamento que teve com outra companheira, a influenciadora Duda Reis — Foto: Reprodução

Por O Dia — O funkeiro Leno Maycon Viana Gomes, mais conhecido como Nego do Borel, foi indiciado, nesta terça-feira, pelo crime de lesão corporal no âmbito da violência doméstica praticado contra uma de suas ex-namoradas, sua ex-assessora Swellen Sauer. A defesa do cantor informou ao O DIA que está a caminho da Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM), de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, para ter acesso aos autos do processo.

De acordo com as investigações, Swellen sofreu diversas agressões do cantor, que teria apresentado contra ela o mesmo comportamento que teve com outra companheira, a modelo e influenciadora Duda Reis.

Segundo a delegada do caso, o inquérito foi instaurado justamente para apurar os fatos divulgados por Duda Reis em suas redes sociais, em janeiro deste ano. Em entrevista ao “Fantástico”, da TV Globo, a influenciadora digital afirmou que o fim do relacionamento envolveu traições, agressões e violência psicológica. Ela contou que precisou tomar remédios após ser diagnosticada com depressão, síndrome do pânico, anorexia e bulimia.

“Eu estava dopada e ele vinha ter relação comigo, eu não tinha consciência. Quando tive consciência, fiquei muito mal. As agressões eram constantes, principalmente as verbais. ‘Vai tomar no c*, vai se f*, vagabunda’. Ele quebrava as coisas da casa, quebrou uma porta no meio com cabeçada. Ele dizia que quebrava as coisas para não me quebrar. Ele me chutava e fiquei roxa na canela”, disse a jovem.

Duda também disse que Nego do Borel ameaçava sua família. “Por que não denunciava? Era dependente da pessoa, sofria ameaça de morte. Ele dizia que ia matar minha família se eu não colaborasse. Ele sempre reforçou que eu era dele e de mais ninguém. Me arrependo muito de perder esses vínculos”, lamentou.

Na época, o programa também conversou com Nego do Borel, que negou as acusações. “Estupro é muito sério. Não houve sexo sem consentimento. Isso é mentira, não sei porque ela está inventando isso. Não diminuía ela como mulher. Sempre fui amigo da Duda. Falava que ela era linda. A gente discutia de igual pra igual como um casal qualquer. Uma vez, a gente estava no quarto, o videogame escapou da minha mão e quebrou minha TV. Não vou quebrar minha TV cara pra caramba! Eu traí, assumo meu erro e peço perdão a Duda”, disse o cantor.

Swellen Sauer também foi entrevistada pelo dominical. “Ele tinha um comportamento agressivo. Ser contrariado e quebrar coisas, ser contrariado e te dar um soco na costela. Ele ficou com ciúme uma vez e veio atrás de mim. Ele estava com um carregador de celular, nessa hora, ele me empurrou na parede e colocou o carregador [no meu pescoço]. Na hora, eu não percebi muito bem, até que me faltou o ar. Chamei por amigos e ele se afastou”, disse.

Dias depois, Swellen, assim como Duda Reis, também registrou ocorrência contra o cantor. Questionada sobre os motivos de não ter denunciado antes, a assesora disse que ficou com medo por conta do trabalho. “Eu pensava muito no trabalho, isso me deixava muito confusa. Eu não podia destruir o CNPJ que eu estava ajudando a construir. As pessoas duvidam muito da gente. Eu entendo por que muitas vezes a gente não fala”.

Nego do Borel também negou as agressões a Swellen. “Não sei porque ela diz isso”, afirmou.

“Passei por situações constrangedoras! Uma vez ele deu um soco na minha costela dentro de uma boate na Barra da Tijuca, onde eu tinha ido para uma gravação do clipe do Mc Tikão, que eu também assessorava”, escreveu Swellen em um texto já apagado das redes sociais.
Nego do Borel chegou a registrar um boletim de ocorrência contra Duda Reis, por “crimes contra a honra” (injúria, calúnia e difamação), na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), na Zona Oeste do Rio. O cantor havia alegado que as coisas que a ex falou na internet não são verídicas.