A mulher pode doar a cada três meses e o homem a cada dois meses. — Foto: João Gilberto

Uma bolsa de sangue pode salvar até quatro vidas. De acordo com as normas do Ministério da Saúde, a mulher pode doar a cada três meses e o homem a cada dois meses. Neste sábado (12), mais de 50 homens e mulheres da Associação dos Doadores de Sangue e Medula Óssea do Rio Grande do Norte (Adosan) participaram do “Dia D” no Centro de Doação de Sangue – Hemovida, em Natal. A ação foi incentivada pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, que lançou a campanha “Doe sangue hoje – você não deixaria alguém que você ama esperar”.

O presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira destaca a importância de ações efetivas para a sociedade. “Incentivamos ações como o Dia D de doação de sangue por entender ser fundamental além da campanha de conscientização, incentivarmos as pessoas ao ato de doar”, argumenta.

Há 37 anos, o recordista de doações de sangue do mundo, Paulo Neris, iniciava a construção da sua trajetória como doador. Hoje, a associação que ele fundou, a Adosan tem mais de 30 mil doadores de sangue cadastrados. “Hoje mais de 50 pessoas da Adosan estão aqui para doar. Ter a Assembleia Legislativa na causa da doação incentivando e conscientizando a população sobre a importância de doar é engrandecedor. No momento em que estamos vivendo, essa ação do Legislativo vem ajudar a salvar milhares de vida”, disse o presidente da Adosan, Paulo Neris – que na próxima segunda-feira (14), Dia Mundial da Doação de Sangue, irá superar o recorde mundial (dele mesmo) ao completar a sua 317ª doação de sangue.

Em razão da pandemia da Covid-19 que provocou, no último ano, o distanciamento social entre pessoas, os estoques de sangue estão em baixa, em média de 70%, dado surpreendente que impulsionou a Assembleia Legislativa a levantar o tema na sociedade.

De acordo com a porta voz do Hemovida, a assistente social Ângela Cely, a ação da Assembleia Legislativa provoca na sociedade a consciência da doação de sangue, no momento mais crítico da saúde do RN. “Hoje, por exemplo, o nosso estoque está com apenas 50% de sua capacidade e um incentivo como esse ajuda a manter nossa missão que é salvar vidas”, ressaltou.

O “Dia D” de doação de sangue, reuniu doadores dos municípios de Tangará, Goianinha, Canguaretama, Pedro Velho e Alto do Rodrigues, como o motorista Ivo de Aquino Rocha, 52 anos, que veio trazendo o grupo de Alto do Rodrigues e decidiu doar pela primeira vez. “Essa é uma forma de ajudar ao próximo. Vou fazer a experiência, se Deus quiser vou ficar doando sempre que puder”, frisou.

A necessidade de doação de sangue no Brasil é alarmante: a cada 15 minutos, uma pessoa precisa de sangue. E no período de pandemia, a realidade piorou pelos cuidados com as pessoas em ficar em casa e ainda procurar centros de doação de sangue. “Precisamos conscientizar e mobilizar as pessoas para o ato fundamental de doar sangue. O nosso alerta é para a doação de sangue hoje”, comenta o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira.

Na ocasião, a equipe médica do Hemovida entregou uma placa ao fundador da Adosan, Paulo Neris, em homenagem ao 14 de junho, Dia Mundial do Doador de Sangue.