Imóveis foram interditados pela Defesa Civil nas Rocas após explosão — Foto: Julianne Barreto/Inter TV Cabugi

Por G1 RN — A Defesa Civil de Natal interditou cinco imóveis após a explosão que deixou pelo menos seis feridos no bairro das Rocas, na Zona Leste da cidade, na manhã desta sexta-feira (9). O caso aconteceu por volta das 6h na Rua São João de Deus.

Além dos imóveis interditados, a Defesa Civil busca uma máquina retroescavadeira para fazer, em parceria com o Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP), as escoras e derrubar parte da área que ainda corre risco de desabar. Não foi dada previsão, mas a expectativa é de que isso ocorra entre esta sexta e o sábado (10).

Enquanto isso, a recomendação do órgão para os moradores foi de que não entrassem nos imóveis interditados por conta do risco de desabamento. Apesar disso, alguns invadiram o local para recolher pertences.

Imóvel atingido por explosão no bairro das Rocas, na Zona Leste de Natal. — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

Os vizinhos também contaram que entraram para salvar um cachorro da raça pinscher, que sobreviveu ao desabamento. Eles relataram que o animal estava na garagem de uma residência e foi para debaixo de uma caixa quando ouviu o barulho inicial da explosão. Duas motos caíram por cima dessa caixa e o protegeram dos escombros. Ele teve apenas ferimentos leves e foi levado pra o veterinário.

Entre os imóveis interditados estão dois pontos comerciais, que ficam na Rua Pereira Simões, a por trás de onde aconteceu a explosão, onde dá o fundo do imóvel que desabou inicialmente. Um dos comércios é alugado pelo chaveiro Ailton Torres.

“A prefeitura disse que interditou, que não tinha mais como ficar aí, porque está em risco de desabar tudo. Ainda ficou algumas paredes, algumas coisas que não deixam a gente ficar. Já vieram prefeitura, Defesa Civil, mas não falaram nada até agora, a gente está aguardando alguma notícia que venha da própria prefeitura pra saber o que a gente vai fazer. O adesivo de interditado colocaram ali, tudo bem, mas e as outras coisas como ficam? Eu praticamente não tenho pra onde ir. Meu ganha pão era aqui”.

O delegado Lenivaldo Pimentel, da 2ª Delegacia de Polícia Civil, que investiga o caso, explicou que as informações de que houve um vazamento de gás ainda são baseadas em depoimentos e que é necessário os laudos dos órgãos responsáveis.

“Nas entrevistas preliminares, eles alegam a questão acidental, nada doloso. Uma questão acidental, algo vinculado ao vazamento de gás, algo que nós iremos provar através do laudo do Corpo de Bombeiros, do Itep e da Defesa Civil”, explicou.

A Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtas) informou em nota que montou abrigo temporário para acolher as pessoas que foram afetadas pela explosão. O abrigo fica no bairro Santos Reis, também na Zona Leste.

A pasta disse que acompanhou as vítimas, identificando as demandas, disponibilizando o abrigo e todos os serviços assistenciais para acolhê-los.