Dados são referentes ao período entre janeiro e novembro deste ano em comparação com 2019. — Foto: Pixabay/Divulgação

O Rio Grande do Norte registrou uma queda de 63% nos casos notificados de dengue de janeiro a até 16 de novembro, em 2020. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP) nesta quarta-feira (02).

Ao todo, o RN teve, segundo a pasta, 11.970 casos suspeitos da doença no estado neste ano, enquanto no mesmo período de 2019 foram registrados 38.248 casos suspeitos.

Desse total de notificação neste ano, 2.950 casos foram confirmados e 5.086 descartados. A incidência registrada foi de 338,69 casos por 100 mil habitantes.

No mesmo período do ano passado, foram confirmados 10.836 casos e descartados 7.422, com incidência de 1.090,66 casos por 100 mil habitantes.

O documento ainda aponta que o número de mortes também sofreu redução. Em 2020, cinco pessoas morreram pela doença até o dia 16 de novembro. Em 2019, foram 15.

De acordo com a Sesap, apesar do número menor de casos, a “dinâmica epidemiológica” é igual a de 2019, com crescimento e redução de casos nos mesmos períodos.

Chikungunya e Zika

Segundo a SESAP, neste mesmo período foram registrados 7.369 casos suspeitos de chikungunya, sendo confirmados 3.119 casos e descartados 2.128. A taxa de incidência é de 208,51 casos por 100.000 habitantes.

No mesmo período de 2019, foram notificados 15.088 casos, sendo confirmados 6.347 e descartados 1.783 casos. A incidência é de 430,24 casos por 100 mil habitantes.

De acordo com a Sesap, o comportamento epidemiológico da doença também se manifestou de forma semelhante ao que aconteceu no ano anterior.

Já os casos suspeitos registrados de zika foram 1.389, sendo confirmados 248 casos e descartados 861 – taxa de incidência de 39,30 casos por 100 mil habitantes.

Em 2019, no mesmo período foram notificados 1.654 casos, sendo confirmados 93 e descartados 495 casos, com uma incidência de 47,16 casos por 100 mil habitantes.

Diminuição

“A diminuição no número de infectados por Aedes aegypti, vetor dessas arboviroses, pode estar relacionada ao cenário epidemiológico causado pela pandemia do Covid-19, que provocou uma redução nas notificações de casos de dengue e chikungunya”. É o que explica a coordenadora do programa Estadual das Arboviroses Urbanas da Sesap, Flávia Moreira.

Segundo Flávia, apesar da redução observada nos números de casos de arboviroses no RN, é importante manter as medidas de prevenção ao mosquito, que se prolifera em porções de água limpa acumulada.