Butantan divulgou como será o frasco da vacina que pretende desenvolver em parecia com a chinesa Sinovac, que desenvolve a vacina — Foto: Divulgação

Por G1 — A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou nesta sexta-feira (23) a importação de 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina chinesa que deverá ser produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

A decisão não trata do pedido feito pelo governo paulista para que também seja permitida a importação dos insumos necessários para a produção de outras 40 milhões de doses no Brasil.

A vacina está atualmente na terceira fase de testes. A Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pelo imunizante, ainda não obteve o registro para aplicação do imunizante.

Até momento, apenas dados parciais referentes à segurança da vacina foram apresentados pelo governo de São Paulo, mas eles não foram enviados ao órgão ou publicados em revistas científicas.

A Coronavac é alvo de disputa política: na terça-feira, o Ministro da Saúde anunciou a negociação para adquirir as 46 milhões de doses. Contrariado, o presidente Jair Bolsonaro mandou cancelar a compra; ministério afirmou que “não há intenção de compra” e substituiu comunicado no site.