O corpo foi trocado com o de uma mulher e o sepultamento será realizado nesta sexta-feira, no Cemitério do Tanque do Anil em Duque de Caxias — Foto: Divulgação

Por Ana Clara Menezes/O Dia — Foi exumado na tarde desta quinta-feira (21), o corpo de Raimundo Batista de Oliveira (85), que havia desaparecido no Pronto Socorro de Rio das Ostras, na noite da última quarta-feira. Policiais Civis, funcionários do Pronto Socorro, familiares e o advogado da família acompanharam o procedimento no Cemitério do Âncora.
A exumação confirmou que o corpo enterrado por engano, era mesmo de Raimundo. Foi comprovado também que o saco que embalava o corpo, estava com o nome correto do falecido.

“O corpo do meu avô foi trocado com o de uma mulher, erro do Pronto Socorro que não tinha nenhum funcionário para conferir e erro da funerária que também não confirmou se era o corpo certo”, afirmou o neto do Seu Raimundo, Israel Gonçalves, autor da denúncia da troca do corpo.

Após o corpo ser desenterrado, quando a família se preparava para transferi-lo para o Rio de Janeiro, houve mais um transtorno, eles receberam a notícia que não havia vaga no cemitério do Rio, ou seja, o corpo foi desenterrado sem confirmação de vaga no cemitério destino.

“É um sentimento de tristeza misturado com revolta, senti raiva e indignação. Meu pai está tão triste e desolado, que, eu e minha tia tivemos que resolver e correr atrás do corpo do meu avô. Estava anestesiado pela situação, principalmente pelo péssimo tratamento que tivemos por parte da funerária, com profissionais super despreparados, que nos trataram mal. Outra situação foi o celular do meu avô que sumiu. Também registramos isso no boletim de ocorrência. Mas, agora que passou o momento de raiva, estou começando a sentir a falta do meu avô. A saudade será eterna!”, desabafou o neto Israel.

O representante de uma funerária do Plano Assistencial Mais, que fez a troca do corpo, também participou da exumação, porém não quis conversar com a reportagem local, disse que enviaria uma nota se defendendo. Mas, que até o fechamento dessa matéria não foi enviada.

A Prefeitura de Rio das Ostras enviou uma nota dizendo que a funerária assumiu o erro de ter levado o corpo errado. A nota ainda informa que, a Administração Municipal irá afastar a direção e coordenação do Pronto Socorro, abrir um inquérito administrativo para apurar o fato e tomar as medidas cabíveis.

Raimundo morreu com suspeita da Covid-19, era torneiro mecânico aposentado, deixou três filhos e dois netos.

Segundo a família, o sepultamento será realizado nesta sexta-feira (22), no Cemitério do Tanque do Anil em Duque de Caxias – RJ.