A medida mais eficaz para prevenção contra a infeção é a vacina distribuída gratuitamente pelo SUS — Foto: Reprodução

A infecção pelo HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano) não apresenta sintomas na maioria das pessoas. Em alguns quadros clínicos, o HPV pode ficar por meses sem manifestar sintomas visíveis. O vírus que infecta a pele ou mucosas (oral, genital ou anal), tanto de homens quanto de mulheres, pode provocar câncer.

‘‘Sabemos que 70% dos canceres de colo de útero são provocados ainda pelo HPV. Existe uma relação direta entre eles. Geralmente depois da infecção primária tem o período da encubação que dura mais ou menos de 2 a 6 meses até surgir os primeiros sintomas’’, informa o infectologista do Hapvida Saúde, Dr. Igor Thiago.

As manifestações costumam se apresentar como verrugas na região genital e no ânus. O diagnóstico do HPV é atualmente realizado por meio de exames clínicos e laboratoriais, dependendo do tipo de lesão. ‘‘Podem ser feitos o exame clínico urológico (pênis), ginecológico (vulva/vagina/colo uterino) e dermatológico (pele). O exame preventivo Papanicolaou (citopatologia), colposcopia, peniscopia e anuscopia, e também por meio de biopsias’’, enfatiza o especialista.

A medida mais eficaz para prevenção contra a infeção é a vacina distribuída gratuitamente pelo SUS, sendo indicada para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. ‘‘Em alguns casos, as lesões desaparecem espontaneamente, mesmo assim, o vírus continua. Por isso, é essencial realizar tratamento e consulta médica para que evitar reaparecer’’, explica Dr. Igor Thiago.

De acordo com o médico do Hapvida Saúde, a transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. ‘‘A principal forma é pela via sexual, por isso o tratamento é individualizado e envolve soluções químicas, cirúrgicas e estimuladoras da imunidade’’, finaliza.