Em Natal, a Casa Durval Paiva realiza desde 2002 a Campanha do Diagnóstico Precoce — Foto: Divulgação

Fevereiro, mês de festa, mas também de lembrar que o câncer infanto juvenil tem cura, se diagnosticado precocemente. Para tal, em todo o mundo, o dia 15 de Fevereiro é lembrado como o Dia internacional de luta contra o câncer na infância (International Childhood Cancer Day (ICCD), e a Casa Durval Paiva se une à rede global de 167 bases nacionais de organizações de pais, em 90 países de cinco continentes, visando promover a conscientização quanto ao diagnóstico precoce do câncer infanto juvenil, bem como promover uma apreciação crescente e uma compreensão mais profunda dos desafios enfrentados por crianças e adolescentes com câncer e suas famílias.

A cada ano, mais de 300.000 crianças e adolescentes com idades entre 0 e 19 anos são diagnosticados com câncer em todo o mundo. Aproximadamente, 8 em cada 10 dessas crianças vivem em países de baixa e média renda, onde a taxa de sobrevivência é quase 20%. Segundo dados da Childhood Cancer International, governos de vários países de baixa e média renda já se comprometeram a atingir a meta da Organização Mundial da Saúde – OMS de, pelo menos, 60% de taxa de sobrevivência para todas as crianças com câncer até 2030, o que representa uma duplicação aproximada da taxa de cura atual, que poderá salvar a vida de mais um milhão de crianças na próxima década.

Em Natal, a Casa Durval Paiva – referência nacional no suporte ao tratamento de crianças e adolescentes, realiza desde 2002 a Campanha do Diagnóstico Precoce, divulgando os principais sinais de alerta do câncer infanto juvenil em todo o Rio Grande do Norte, além de capacitar os profissionais da saúde e áreas correlatas. A partir de 2017, a instituição iniciou o projeto Registro de Câncer, em parceria com a UFRN, através do curso de Saúde Coletiva, e da Liga Norte Riograndense, contanto também com o financiamento do Instituto Ronald McDonald. A partir do projeto se pretende realizar um estudo prospectivo epidemiológico dos casos da doença no Estado.

Para o câncer infanto juvenil não há uma causa específica em que se possa atuar prevenindo. Assim, pais, professores, médicos, dentistas, entre outros profissionais que convivem com as crianças e os adolescentes, devem estar atentos aos principais sinais da doença. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) adverte para o aparecimento de sinais como: vômitos acompanhados de dores de cabeça; desequilíbrio ao andar; irritabilidade; dificuldade em se movimentar; dores nos ossos ou nas juntas (articulações); modificação repentina da cor da pele (geralmente pálida); febre frequente ou persistente; perda de peso; fraqueza; sangramento em geral; dores frequentes na barriga; ínguas ou nódulos com crescimento rápido e sem dor, principalmente no pescoço, axílas ou virilhas; suor excessivo noturno; dores de dente sem ter cáries; manchas roxas no corpo ou nas pálpebras; nódulos ou manchas na pele que crescem ou mudam de cor; pressão alta; secreção frequente pelo ouvido; características sexuais adultas precoces; dificuldades de enxergar ou visão dupla e nos olhos: pupila branca ou reflexo de olho de gato.

O diagnóstico precoce é a principal arma contra o câncer, ou seja, quanto mais cedo for diagnosticado, maiores serão suas chances de cura, com um mínimo de sequelas pós tratamento.

Fonte dados internacionais: https://internationalchildhoodcancerday.org/