O projeto Borborema é parte do processo de retomada do desenvolvimento do setor mineral no RN — Foto: Elisa Elsie

O projeto Borborema, que vai explorar ouro na zona rural de Currais Novos, foi visitado nesta quarta-feira (28) pela governadora Fátima Bezerra e a equipe do Governo do Estado. Acompanhados dos diretores da empresa Cascar Brasil Mineração, responsável pelo investimento, conheceram in loco o projeto de exploração mineral que planeja investir aproximadamente R$ 430 milhões (100 milhões de dólares) apenas na instalação da mina no Seridó, com a previsão de gerar no mínimo 400 empregos diretos.

“É um momento de imensa alegria ver a consolidação desse projeto e a retomada da mineração em Currais Novos, um sonho do povo da região. O projeto Borborema traz o que nosso povo mais precisa que é emprego e renda. Esse é o resultado de um governo comprometido com o desenvolvimento e a segurança jurídica”, disse a governadora Fátima Bezerra durante a solenidade realizada na sede do projeto, que contou com o hasteamento das bandeiras do RN, do Brasil, da Austrália e de Currais Novos, em homenagem aos 100 anos da cidade que serão comemorados esse ano.

As obras para implantação da planta de beneficiamento de ouro começam em julho, com uma expectativa de começar a operação entre 18 e 24 meses após o início do trabalho. A Cascar Mineração, que tem origem na Austrália e é propriedade da empresa Big River Gold, conta com apoio direto do Governo do Estado por meio de diversas ações firmadas através do protocolo de intenções assinado em outubro de 2019 pela governadora e o presidente da companhia australiana, Andrew Richards.

O projeto Borborema é parte do processo de retomada do desenvolvimento do setor mineral no RN — Foto: Elisa Elsie

Dentre as ações previstas no protocolo de intenções estão a inserção da Cascar no Programa de Estímulo ao Desenvolvimento da Indústria do Rio Grande do Norte (Proedi), além da emissão das licenças ambientais e uma parceria com a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) para o reuso do esgoto coletado em Currais Novos no processo de beneficiamento do ouro. “Agradecemos o esforço do Governo e da Prefeitura de Currais Novos para o desenvolvimento do projeto e nós vamos trabalhar para retribuir o esforço, com o foco voltado a dar empregos para pessoas da região”, disse Richards.

Cumprindo o documento assinado, o Governo agiu para que as licenças ambientais necessárias para a instalação do projeto fossem emitidas o mais rápido possível, dentro dos limites do processo legal estipulado pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema). Para isso, a empresa se comprometeu a destinar R$ 1,2 milhão para unidades de conservação ambiental. “O Governo merece o reconhecimento pelo trabalho rápido na emissão das licenças, o que agilizou o investimento. Agradeço, em nome do município, o empenho para a geração de emprego e renda, tanto neste caso como na criação do Proedi, que já está trazendo resultados”, comentou o prefeito de Currais Novos, Odon Júnior.

O projeto Borborema é parte do processo de retomada do desenvolvimento do setor mineral no Rio Grande do Norte coordenado pela gestão estadual. Ele ocupa uma área de 490 hectares, somando os setores de extração e beneficiamento para obtenção de ouro. “O setor mineral estava abandonado no Rio Grande do Norte, mas não está mais. Nossos potenciais são imensos, como podemos ver aqui hoje, e o Governo tem tomado todas as medidas para incentivar o desenvolvimento”, completou Jaime Calado, secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico (Sedec).

O empreendimento é modelado para processar anualmente até 4,2 milhões de toneladas de ouro. A empresa visa trabalhar com 75% dos equipamentos de origem brasileira e aplicar anualmente cerca de R$ 190 milhões na operação da mina de ouro, com uma folha de pagamento em torno de R$ 11 milhões.

Entre as décadas de 1940 e 1970 a área do projeto Borborema já passou por exploração mineral, mas o processo foi descontinuado ao longo dos anos.

DESENVOLVIMENTO

Além das ações junto à Cascar, ao longo de 2019, o Governo do Estado, por meio da Sedec, realizou uma série de reuniões com empresas do setor de mineração que contam com projetos no estado, o que culminou na criação da Câmara Setorial de Mineração. Instalada em agosto, assim como as outras câmaras setoriais, ela reúne entidades públicas e privadas para discutir políticas de desenvolvimento e formular ideias práticas, cooperando diretamente com a gestão estadual.

Ainda em outubro de 2019, o Governo promoveu o Fórum Estadual Mineral (FEM), com o objetivo de discutir as ações necessárias para o resgate do papel de destaque do RN na produção mineral nacional.

A visita ao projeto Borborema contou ainda com a participação da senadora Zenaide Maia; do deputado estadual Francisco Medeiros; do vice-governador Antenor Roberto; do presidente da Câmara Municipal de Currais Novos, João Neto; do vice-prefeito Anderson Alves; da diretora da Cascar Mineração Diana Uchôa; vereadores e secretários municipais.