O presidente Jair Bolsonaro em cerimônia da 55ª Cúpula do Mercosul, nesta 5ª feira (5.dez.2019) — Foto: Reprodução/TV Brasil

Por Poder 360 — Em tom de brincadeira num áudio vazado, o presidente Jair Bolsonaro perguntou a 1 interlocutor: “[…] para continuar a ser presidente, não dá para dar 1 golpe não?” Bolsonaro riu e completou: “[…] tudo quando eles perdem, eles dizem que é golpe. Impressionante”. A gravação foi feita no encontro da 55ª Cúpula do Mercosul nesta 5ª feira (5.dez.2019).

Assista ao momento abaixo.

Pelo áudio, não é possível saber quem é o interlocutor de Bolsonaro. Compareceram ao encontro os presidentes do Paraguai, Mario Abdo Benítez, e da Argentina, Mauricio Macri. É possível que o presidente brasileiro tenha se dirigido a este último, já que ele deixa o poder na semana seguinte.

O vencedor da eleição argentina foi Alberto Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como sua vice. Bolsonaro já afirmou que não comparecerá à posse, que será realizada no próximo dia 10. Já Fernández comemorou nas redes sociais a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão.

O atual presidente Mauricio Macri, porém, é aliado de Bolsonaro na América do Sul. O brasileiro declarou apoio à reeleição do colega. Outro mandatário próximo de Bolsonaro é o paraguaio Abdo Benítez, com quem teve encontro bilateral antes da Cúpula do Mercosul.

O Poder360 tenta contato com o Palácio do Planalto, mas ainda não obteve resposta.

R$ 12 MILHÕES PARA FUNDO

Em discurso na abertura da reunião, Bolsonaro afirmou que, “apesar da difícil situação fiscal do Brasil”, fará 1 pagamento de R$ 12 milhões ao Focem (Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul).

“Esperamos regularizar nossa situação com o fundo num futuro próximo”, disse, sem especificar quanto o país ainda precisa investir de recursos.

O Brasil é o maior contribuinte, com responsabilidade por 70% dos aportes do Focem, destinado a integrar os membros do bloco com ênfase naqueles com economia mais fraca, de acordo com a página desse Fundo na internet.

O presidente Jair Bolsonaro também destacou a agenda de reformas de seu governo, bem como o programa de concessões e privatizações:

“Avançamos muito na agenda de reformas estruturais. Também temos atuado na melhoria do ambiente de negócios para tornar o Brasil cada vez mais atraente para quem quer empreender e produzir.”