Bolsonarismo e PT ‘quase nivelados’, disse o deputado — Foto: Reprodução.

Por Poder 360 — Em entrevista ao programa Roda Vida, da TV Cultura, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que sabia que havia uma campanha de propagação de notícias falsas para beneficiar o então candidato Jair Bolsonaro.

Contudo, questionado se teria presenciado esse tipo de estratégia dentro da campanha, Frota negou. O ex-pesselista disse que soube da existência do “jogo” pelo que lia e como via os ataques nas redes sociais.

“Sabia que era 1 jogo de campanha […] Faz parte do jogo. É 1 jogo sujo”, afirmou o deputado.

MAIS CRÍTICAS AO GOVERNO

O deputado voltou a afirmar que Bolsonaro mudou muito após assumir o Executivo federal. Segundo ele, o presidente abandonou muitos de seus discursos, como o de que não deixaria “soldados feridos”. Frota afirmou que Bolsonaro teria feito isso com o ex-ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral); o deputado Julian Lemos, que foi coordenador da campanha presidencial; e o ex-senador Magno Malta, amigo pessoal do presidente.

Sobre Malta, Frota disse que logo após o resultado das eleições o então congressista –que não foi reeleito– não entrava mais na casa de Bolsonaro. “Não foi o Jair que eu conheci”, afirmou.

Frota disse ainda que foi “alvejado pelas costas”, mas que não se arrepende do papel na campanha e no governo. Afirmou que surfou, sim, na onda Bolsonaro, e que isso o ajudou a ser eleito e vice-versa.

“É obvio que eu surfei na onda do Bolsonaro, ia surfar na do Haddad? Não”, disse Frota, referindo-se ao candidato petista.

Frota afirmou que “muitos também não enxergaram” a tal mudança do presidente. Depois disso, citou os generais, que de acordo com ele, teriam sido “humilhados”, como o ex-ministro Santos Cruz (Secretaria Geral), o porta-voz Otávio Rêgo Barros e até o vice-presidente, Hamilton Mourão. Segundo Frota, os 2 últimos “sumiram do mapa”.

O deputado também fez ataques a 2 ministros do governo: Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Damares Alves (Mulher, Cidadania e Direitos Humanos).

Sobre o chefe do Itamaraty, o tucano disse que ele é muito ideológico e que não gosta deste tipo de atitude. Já sobre Damares, afirmou: “O que eu posso falar de uma senhora que durante 30 anos teve problema com o Pica Pau, problema com o Popeye e acha que o personagem do Frozen é gay?”.

Durante o programa, Frota elogiou 3 membros do 1º escalão montado por Jair Bolsonaro: Tarcísio Freitas (Infraestrutura), Tereza Cristina (Agricultura) e Paulo Guedes (Economia).

SERGIO MORO E VAZA JATO

Frota opinou sobre o chefe da pasta de Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Para o congressista, as conversas reveladas em reportagens do site The Intercept na série conhecida como Vaza Jato são graves: “Foi muito ruim para todo mundo. Se tratando do Moro e de como isso aconteceu, acho que é grave […] Um juiz falando com promotor, ainda que não tenha dado nenhum tipo de informação mais contundente, é grave pelos personagens que estão envolvidos”.

O deputado disse que, se confirmadas, as conversas da Vaza Jato podem levar à anulação de processos como o do ex-presidente Lula. Considera que Moro “vem perdendo força e espaço no governo” e citou a lentidão da tramitação do pacote anticrime na Câmara, mas afirmou que o ex-juiz federal ainda reúne condições de continuar no cargo.

“Bolsonaro, quando quer deixar o Moro mais alegre, leva no jogo do Flamengo e põe uma camisa do Flamengo nele”, disse o deputado.

NOVOS PASSOS NO PSDB

Recém-integrado ao quadro de congressistas do PSDB, Frota disse que não vai tomar posição sobre a expulsão ou não do deputado Aécio Neves (PSDB-MG). “É problema da Executiva nacional do partido”, afirmou o recente tucano.

Perguntado pelo diretor de redação do Poder360, Fernando Rodrigues, se sua atuação em prol do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff não o faria ter o mesmo posicionamento na questão do ex-candidato à Presidência em 2014, Frota bateu na mesma tecla:

“Só se a nacional pedir. Senão, não faço nada”, declarou.

PREFEITURA DE SP: APOIO A BRUNO COVAS

Outro ponto levantado por Fernando Rodrigues foi o apoio dado por Frota à candidatura da ex-colega de PSL Joice Hasselmann para a prefeitura de São Paulo. Questionado se manteria esse apoio após deixar o partido do governo e transferir-se para o PSDB, Frota disse que não. Afirmou que seu apoio agora irá para Bruno Covas, atual mandatário do Executivo paulistano.

Sobre uma hipotética saída da líder do governo no Congresso do PSL, Frota disse que não trabalharia para trazê-la para sua atual legenda, pois, segundo o congressista, isso caberia à Executiva nacional. “Com carta branca, posso pensar em trazê-la pro PSDB“, declarou.

PT E BOLSONARO “QUASE NIVELADOS”

Frota afirmou que a eleição de Jair Bolsonaro como presidente foi uma boa saída para os anos de esquerda e de PT no poder. Segundo ele, na campanha era uma boa ideia. O ex-ator disse, no entanto, que agora mudou de opinião e que o bolsonarismo e o petismo estão “quase nivelados”.

Perguntado se as duas correntes políticas seriam duas faces da mesma moeda, Frota recuou. Afirmou que o PT ainda está “1 pouco na frente”.

POSIÇÕES COMO DEPUTADO

Questionado sobre o posicionamento acerca do projeto de lei sobre abuso de autoridade, Frota declarou-se contrário. “É complicado”, afirmou. O tucano disse que a matéria –que já foi aprovada na Câmara– é subjetiva e tira a autoridade de policiais e juízes. “Eu votaria contra”, completou. “Pode prejudicar uma série de investigações […] Mesmo com a Vaza Jato, sou contra”.

Frota ainda reprovou a maneira como o Executivo vem abordando as questões da cultura, que deixou de ser 1 ministério no governo Bolsonaro.

“A cultura não deveria passar por isso”, afirmou Frota.

Sobre o episódio da Ancine (Agência Nacional do Cinema), em que Bolsonaro criticou produções apoiadas pela agência, o ex-ator afirmou que essa atitude “não ajuda em nada”. Segundo ele, “Bolsonaro deveria deixar a Ancine com pessoas do mercado”.

“A Ancine é necessária para a cultura do país”, completou o tucano.