Processo seletivo está previsto para 2020 — Foto: Reprodução.

Por G1 RN — O novo cronograma para conclusão das etapas do concurso da Polícia Militar do Rio Grande do Norte foi anunciado nesta terça-feira (16) pela governadora Fátima Bezerra. Travado por alguns entraves jurídicos, o processo seletivo prosseguirá em oito fases até a homologação, com data marcada para setembro de 2020.

Estabelecido por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), intermediado pelo Ministério Público (MP-RN), o atual calendário está dividido em oito fases. O TAC será publicado nesta quarta-feira (17) no Diário Oficial do Estado.

Segundo o governo, ele será iniciado neste mês de julho, com a reclassificação e correção da redação para candidatos retidos no ponto de corte da prova de geografia, que foi alterado pelo documento. O processo será encerrado com homologação do certame, previsto para o início de setembro.

Ainda de acordo com o governo, o novo calendário prevê que o curso de formação será iniciado no dia 2 de janeiro de 2020 e transcorrerá até dia 28 de agosto do mesmo ano. “Os novos mil policiais que ingressarão na PM com certeza representarão um bom reforço para nosso efetivo”, declarou o policial Roberto Campos, presidente da Associação de Cabos e Soldados.

O concurso aconteceu no segundo semestre do ano passado e o andamento estava prejudicado por conta de algumas imprecisões no edital. Um exemplo foi o ponto de corte das questões objetivas que previa o mínimo de 40% de acerto para que a redação do candidato fosse corrigida. Como a prova teve oito questões, o ponto de corte não era exato e dificultou a compreensão da banca. Dessa forma, o TAC determinou que o ponto de corte seja rebaixado para três questões e, dessa forma, haverá uma reclassificação.

No termo também foi estabelecido a continuidade no processo seletivo das candidatas do sexo feminino que foram chamadas a mais para suprir vagas destinadas aos homens – não havia classificados do sexo masculino em número estipulado pelo edital.

“Com a reclassificação, corríamos o risco de termos algumas mulheres rebaixadas, mas tanto o Governo quanto o MP compreenderam que seria injusto com a gente, que já fomos prejudicadas logo na elaboração do edital, por termos um número tão pequeno destinados a nós, comparado aos homens”, disse Kaline Andrade, da comissão dos aprovados.

Atualmente o contingente da Polícia Militar do Rio Grande do Norte conta com 170 policiais femininas e 7.636 masculinos. O comandante geral da PM, Coronel Alarico Azevedo, explicou que “é interesse do governo corrigir essa disparidade com relação ao número de policiais femininas”.