Chico Inácio marcou época no rádio potiguar — Foto: Fabiano de Oliveira.

Por Globo Esporte — O radialista Francisco Inácio Sobrinho, o Chico Inácio, morreu na noite de segunda-feira, em Natal. Aos 58 anos, “Pank”, como ficou conhecido, vinha debilitado devido a problemas renais e diabetes, e não resistiu a uma parada cardíaca.

 

Com irreverência e profissionalismo, Chico marcou época no rádio potiguar como repórter esportivo. Teve passagem pela Rádio Rural de Natal, Rádio Globo/AM Cabugi, 96 FM e, por último, na 98 FM. No dia 26 de junho, ele usou uma rede social para oficializar sua aposentadoria e o afastamento em definitivo do rádio para cuidar da saúde.

 

“Foram 35 anos, de dedicação extrema sempre aprendendo no dia a dia buscando fazer com muito profissionalismo. Foram mais de oito prêmios pelo reconhecimento do torcedor, sendo seis de forma consecutiva. Fiz muitos e grandes amigos, trabalhei em grandes emissoras de rádio, sempre com a mesma dedicação. Trabalhei com grandes profissionais que me ensinaram o tempo todo, não quero citar nomes para não cometer o crime do esquecimento”, disse no comunicado.

 

“Minha gente, passei 34 anos fazendo o que sempre sonhei. Deixei o rádio, mas não deixei meu eterno amor pela profissão. Aqueles que sempre me deram o prazer de sua audiência, muito obrigado! Como diria o eterno narrador Fiori Gigliotti: ‘O palco está vazio, apagam-se os refletores, fechem-se as cortinas e desliguem os microfones'”, escreveu.

 

Nas redes sociais, amigos e fãs lamentaram a morte de “Pank”. A Federação Norte-rio-grandense de Futebol, ABC e América-RN também publicaram nota de pesar.

 

“A diretoria do ABC Futebol Clube, em nome dos dirigentes, conselheiros, sócios e torcedores, manifesta seus sentimentos pelo falecimento do repórter esportivo Francisco Inácio Sobrinho, o Chico Inácio. Todos que fazem o ABC Futebol Clube externam os mais sinceros sentimentos aos familiares e amigos, neste momento de dor e tristeza”, diz a nota do ABC.