Milu (Zezé Polessa) em O Sétimo Guardião — Foto: © Reprodução

Desde o início de abril, Aguinaldo Silva começou a “matança” em O Sétimo Guardião. A trama problemática viu nos guardiões uma possibilidade de reerguer os índices de audiência. Para movimentar a reta final, como adiantou o próprio autor, um assassino misterioso vai matar os guardiões “um a um”. Até o momento, foram três. Contudo, a Globo já enviou um recado importante para aqueles que saíram da novela.

A primeira vítima do serial killer foi o delegado Machado, vivido por Milhem Cortaz. Após ter seu segredo revelado, a autoridade da cidade apareceu no dia seguinte morto. Logo após, o personagem de Leopoldo Pacheco surgiu falecido em frente à igreja. No capítulo de ontem (18) de O Sétimo Guardião, Milu (Zezé Polessa) foi morta misteriosa.

Tanto para quem morreu quanto para quem ainda vai morrer, a direção da novela deixou um recado importante. A Globo deixou os atores sobreavisos para possíveis gravações de flashback, segundo o colunista Flávio Ricco. Ou seja, Milhem Cortaz, Leopoldo Pacheco e Zezé Polessa não estão completamente liberados da novela que carrega vários problemas desde a sua estreia.

Além disso, telespectadores acreditam que a morte dos guardiões seja uma grande farsa para proteger a fonte milagrosa. Essa mesma tática foi usada pela autora Cristianne Fridmann em Vidas em Jogo, da Record. Na época, o enredo e o desfecho foram elogiados pela crítica especializada em novelas.