Felipe Cardoso contou que conseguiu escapar por ter acordado antes de o fogo chegar à sua cama — Foto: Reprodução

Por Cristina Boeckel e Henrique Coelho, G1 Rio

Felipe Cardoso, atleta da categoria de base do Flamengo, conhecido como Felipinho, afirmou em redes sociais que conseguiu escapar do incêndio que atingiu o alojamento do Centro de Treinamento de Vargem Grande, na Zona Oeste, que matou 10 pessoas e deixou outras três feridas.

O jogador contou que o incêndio começou no seu quarto, e que conseguiu escapar por ter acordado antes de o fogo chegar à sua cama.

“Incêndio ocorreu no meu quarto, só tenho que agradecer a Deus por conseguir acordar e escapar da morte, Deus conforte meus irmãos💔🙏🏾😭”

Em entrevista à GloboNews, Aleksandro Cardoso, pai de Felipe, disse que conversou com o filho por volta das 7h. Segundo ele, o filho ainda tentou salvar dois amigos que dormiam.

“Ele falou que acordou com a fumaça, que conseguiu chamar dois amigos e gritou para que todos viessem. Só que esses meninos não apareceram, eles não conseguiram tirar esses meninos de lá”, afirmou.

Cardoso contou que o filho estava no CT do Flamengo desde segunda-feira, dia 8.

Samuel, um dos atletas do Flamengo que sobreviveram, disse que tinha muito fogo no local onde as vítimas estavam. — Foto: Reprodução/TV Globo

Samuel

Samuel Barbosa, outro atleta do Flamengo que sobreviveu, disse que havia muito fogo no local onde as vítimas estavam.

“A maioria não conseguiu porque a quantidade de fogo era muita. E aconteceu que o ar condicionado pegou fogo, daí foi gerando um curto-circuito em todos os ares-condicionados. Foi pegando em tudo. E foi muito rápido. Não deu pra conseguir chamar quase ninguém”, contou Samuel.

CaiKe Duarte, de 14 anos, passou na peneira do Flamengo e estava no alojamento do CT que pegou fogo no Rio; ele sobreviveu. — Foto: Reprodução/Facebook

Caike

Caike Duarte, jogador de 14 anos de Americana, também escapou do fogo e faz contato com família. O pai dele contou que Caike acordou inalando fumaça.

“Ele pulou do beliche, ele dormia em cima. Saiu no meio da fumaça e, graças a Deus, conseguiu sair”, conta Renato Pereira da Silva, pai de Caike.

João Pedro da Cruz, do time Sub 15 do Flamengo — Foto: Reprodução/Facebook

Neguebinha

O adolescente João Pedro da Cruz, de 16 anos, atleta da categoria de base conhecido como Neguebinha, contou, na manhã desta sexta-feira, que amigos chegaram a chamá-lo para dormir no alojamento, mas ele preferiu ir para casa, já que não haveria treinamento hoje.

“Fiquei sabendo que não ia ter treino e vim para casa de um amigo, que fica próximo, na Barra da Tijuca. Ontem, três amigos meus pediram para eu dormir no alojamento, mas eu vim para casa. Aí eu acordei hoje e me falaram que tinha acontecido essa tragédia e eu fiquei apavorado. A maioria deles ficou lá, dos meus amigos todos ficaram lá”, contou João.

Jogador da base do Flamengo fala sobre colegas que morreram no incêndio — Foto: Reprodução/TV Globo

Otávio

Já o zagueiro Otávio Ataíde da Silva, de 16 anos, que joga na base do Flamengo, contou que não morava mais no Centro de Treinamento, mas que conseguiu conversar com seus amigos que estavam no local na hora do incêndio.

“A maioria estava dormindo no outro quarto. O Vinicius tentou quebrar a janela para aliviar um pouco a fumaça, só que não adiantou nada porque eles continuaram dormindo. Esse é um momento muito complicado perder grandes amigos que estavam com a gente, cuidavam uns dos outros lá dentro, nos tornamos grandes irmãos”, contou Otávio.

Weverton

Weverton Sousa, atleta do Flamengo que mora em Nova Iguaçu, postou no Twitter um vídeo que mostra a alegria dos atletas nos alojamentos do clube.

“Não dá para acreditar. Que tragédia. Salva meus amigos, Deus”, escrever o jogador na rede social.