Acidente foi um dos mais fatais da história, com 71 mortos (Foto: © Reuters)

Mesmo dois anos após o acidente aéreo que matou 71 pessoas no voo da Chapecoense, os familiares das vítimas ainda procuram receber seus direitos em complexas e variadas indenizações. As famílias dos profissionais que acompanhavam o que seria a final da Copa Sul-Americana de 2016 entraram na última quarta-feira (28) com uma ação judicial contra o governo colombiano.

Na ação feita por um grupo de familiares específico, o alvo é a Aerocivil, o que seria equivalente à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) no Brasil. Como já havia sido levantado dias após o acidente, o órgão regulador prevê indenização em caso de falha comprovada na gestão dos voos. Por outro lado, o LM2993, saiu de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, com destino a Medellin, na Colômbia.

Time da Chapecoense que encarou o San Lorenzo nas semifinais da Copa Sul-Americana (Foto: Nelson Almeida/AFP)

De acordo com as normativas da Aerocivil, voos fretados não poderiam passar pela Colômbia, uma vez que as seguradoras passaram a não aceitar esse tipo de contrato. A empresa LaMia, no entanto, já havia feito esse mesmo procedimento nas quartas de final da mesma competição continental, ao levar a Chapecoense para a partida contra o Junior Barranquilla. A companhia tinha uma apólice de seguro contratada no valor de US$ 25 milhões (aproximadamente R$ 100 milhões nos valores atuais).

Um dos representantes de uma associação dos familiares do time catarinense disse que o pedido é de cem salários mínimos colombianos, cerca de R$ 25 mil para cada membro da família das vítimas. A polêmica persiste em saber se o seguro estava operante apesar do voo não ser permitido, ainda que fosse praticado regularmente.

Acidente foi um dos mais fatais da história, com 71 mortos (Foto: © Reprodução / Twitter)
Acidente foi um dos mais fatais da história, com 71 mortos (Foto: © Reprodução / Twitter)

Até agora, poucas famílias receberam indenizações, mas referentes a outros processos. Não existe uma ação única que represente todos os atletas, tampouco uma só direção no caminho das indenizações. Os valores recebidos pelas famílias vieram principalmente das doações à Chapecoense e o seguro dos atletas feito com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

A Chapecoense preparou uma série de homenagens para lembrar os dois anos da tragédia. As homenagens, segundo palavras do próprio clube, devem ser “novamente discretas”. Um feixe de luz apontado para o céu foi colocado no centro da Arena Condá, que terá portões abertos ao longo de toda esta quinta-feira, dia 29 de novembro.

R7 Notícias