O deputado estadual eleito lembrou o assassinato de 22 policiais este ano no RN, sem que houvesse "uma palavra de apoio de Fátima Bezerra e do PT" (Foto: Divulgação)

Ex-comandante da Polícia Militar, o deputado estadual eleito Coronel André Azevedo (PSL), usou a segurança pública para alertar o eleitor comparando os dois candidatos ao Governo do Estado. “A candidata do PT (senadora Fátima Bezerra) tem apoio de chefe de facção criminosa em gravação autêntica segundo a Secretária de Segurança, é contra a redução da maioridade penal para proteger menores criminosos e o partido dela é a favor de soltar bandidos da cadeia, conforme seu candidato derrotado à Presidência da República. A candidata do PT não representa o que a sociedade deseja”, acusou Coronel Azevedo em comício na noite de terça-feira (23/10) em Santa Cruz, a 126 quilômetros de Natal.

Um dos primeiros militares a se engajar na campanha do capitão Jair Bolsonaro para presidente, Coronel Azevedo também apoia o ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) para governador. Azevedo chamou atenção dos eleitores para a “flexibilidade” do PT e de sua candidata em relação ao combate ao crime, “enquanto o futuro governador Carlos Eduardo vai endurecer e ganhar o jogo contra a bandidagem da mesma forma que o Presidente Bolsonaro”.

O deputado estadual eleito pelo PSL lembrou o assassinato de 22 policiais este ano no Rio Grande do Norte sendo 17 militares, sem que houvesse “uma palavra de apoio de Fátima Bezerra e do PT sempre mais preocupados com os direitos humanos de quem mata, assalta, estupra e agride seres humanos”.

Para Coronel Azevedo, a escolha do futuro Governo do Estado passa obrigatoriamente pela postura de cada candidato sobre a violência que transformou o Rio Grande do Norte detentor de “triste recorde nacional”. Segundo ele, Carlos Eduardo vai priorizar o cidadão de bem e o policial, enquanto a candidata do PT já mostrou o que fará ao se manifestar contra a punição de menores delinquentes e seu partido defender a soltura de criminosos. “Carlos Eduardo quer proteger quem merece, dar condições à polícia e combater bandido. Fátima não”, advertiu.