Mara Gabrilli participa da 17ª conferência da ONU sobre pessoas com deficiência

Vale informar que o cargo não é remunerado, tampouco traz custos aos cofres públicos – as despesas são todas custeadas pela Organização das Nações Unidas.
A senadora Mara Gabrilli representará o Senado durante o evento na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque Assessoria Gabinete

Por Agência SenadoA senadora Mara Gabrilli (PSD-SP) está em Nova Iorque, nos Estados Unidos, para representar o Senado Federal na 17ª Conferência dos Estados Partes da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, que ocorre na próxima semana na sede das Nações Unidas. A senadora também será a candidata brasileira na eleição de nove peritos independentes para o Comitê da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. A votação ocorrerá na terça-feira (11).

— É um encontro extremamente importante, não só para o segmento das pessoas com deficiência no mundo todo, mas para toda nação que visa o verdadeiro desenvolvimento. Toda nação cujas pessoas com deficiência conseguem exercer a cidadania se desenvolve mais rápido. A conferência deste ano vai tratar de temas muito relevantes para o Brasil e para outros tantos países que precisam refletir sobre como aprimorar as políticas de inclusão — disse a senadora.

Esse comitê foi criado em 2008 e reúne 18 especialistas de diferentes países. O colegiado analisa como cada país vem trabalhando questões sobre inclusão, acessibilidade, educação, saúde, trabalho e outros direitos das pessoas com deficiência. De acordo com a senadora, os peritos analisam, por exemplo, possíveis violações aos direitos dessa população.

— É uma honra estar na ONU representando meu país. Sou mulher e tenho uma deficiência severa. Carrego comigo uma somatória de exclusões e sei o quanto ainda precisamos trabalhar para que outras pessoas tenham seus direitos garantidos e oportunidade para ocupar espaços de liderança. 

Mara Gabrilli foi a primeira brasileira a compor o comitê, em mandato de 2019 a 2022. Ela foi indicada pelo governo brasileiro em março do ano passado para concorrer à reeleição. O mandato é de 2025 a 2028 e o cargo não é remunerado, mas todas as despesas são custeadas pela ONU, sem gastos para o Brasil.

— Assim como no mandato anterior, faremos um trabalho de muito comprometimento, trazendo para o nosso país o que foi bem-sucedido lá fora e levando para outros países as conquistas que já tivemos por aqui.

A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência foi adotada pela ONU em 2006 para proteger e garantir o acesso a todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência. Atualmente, 194 países são signatários da convenção que, no Brasil, foi ratificada pelo Congresso Nacional em 2008.

Com informações da assessoria da senadora Mara Gabrilli