Sonda chinesa se desprende da Lua com amostras da face oculta

04/06/2024 - Sonda chinesa descola da Lua com amostras da face oculta
Frame Reuters
© Frame Reuters

Por Agência Brasil — O ascensor da sonda chinesa Chang’e-6 decolou da superfície lunar na manhã desta terça-feira (4), carregando as amostras coletadas do lado oculto da Lua, um feito sem precedentes na história da exploração lunar humana.

A sonda entrou em uma órbita predefinida ao redor da Lua, disse a Administração Espacial Nacional da China (CNSA, em inglês). A decolagem ocorreu às 7h38 (20h38 de ontem, no horário de Brasília) do lado oculto da Lua. Um motor de 3 mil newtons, depois de trabalhar por cerca de seis minutos, impulsionou a sonda para a órbita lunar predefinida, de acordo com a CNSA.

A Chang’e-6, composta por um orbitador, um módulo de aterrissagem, um ascensor e um módulo de retorno, como sua antecessora Chang’e-5, foi lançada em 3 de maio. Sua combinação do módulo de aterrissagem e ascensor pousou na área de pouso designada na Bacia do Polo Sul-Aitken (SPA) em 2 de junho.

A nave espacial concluiu seu trabalho de coleta de material inteligente e rápida, e as amostras foram armazenadas em um contêiner dentro do ascensor da sonda, conforme planejado, disse a CNSA.

Durante a coleta, os pesquisadores realizaram amostragem simulada em um laboratório terrestre, com base nos dados de detecção enviados pelo satélite de retransmissão Queqiao-2, fornecendo importante apoio para a tomada de decisões e operações em cada etapa.

“A missão resistiu ao teste de alta temperatura no lado oculto da Lua”, disse a CNSA.

A sonda adotou dois métodos de coleta de amostras, incluindo o uso de uma broca para amostras subsuperficiais e a captura de amostras na superfície com um braço robótico. Ela automaticamente reuniu diversas amostras em diferentes locais.

Ge Ping, porta-voz da missão Chang’e-6, disse que, por meio de análises detalhadas da estrutura terrestre, propriedades físicas e composição material das amostras da Chang’e-6, os cientistas poderão aprofundar a pesquisa sobre a formação e a história evolucionária da Lua, a origem do sistema solar e assim por diante, estabelecendo uma base melhorada para missões de exploração posteriores.

As múltiplas cargas úteis instaladas no módulo de aterrissagem, incluindo a câmera de pouso, a câmera panorâmica, o detector de estrutura do solo lunar e o analisador do espectro mineral lunar, funcionaram bem e realizaram a exploração científica conforme planejado, disse a CNSA.

O detector de estrutura do solo lunar analisou e julgou a estrutura subterrânea do solo lunar da área de amostragem, fornecendo referência de dados para a perfuração da amostra.

Depois que a coleta foi concluída, uma bandeira nacional chinesa carregada pelo módulo de aterrissagem foi desenrolada pela primeira vez no lado oculto da Lua.

Devido às diferentes posições de pouso, o sistema de exibição da bandeira nacional da Chang’e-6 foi aperfeiçoado com base na missão Chang’e-5.

Ao contrário da decolagem na Terra, o ascensor não pode contar com um sistema de torre de lançamento. O módulo de aterrissagem funcionou como uma “plataforma de lançamento” temporária.

A decolagem da Chang’e-6 do lado oculto da Lua não pode copiar a subida da Chang’e-5 do lado visível da Lua, pois não pode receber diretamente controle e apoio do solo. Ela utilizou seus sensores especiais para realizar posicionamento e orientação autônomos, com a ajuda do Queqiao-2 para comunicação.

Em comparação com a Chang’e-5, a Chang’e-6 obteve melhorias na autonomia e confiabilidade de seu sistema de navegação, orientação e controle, a fim de enfrentar os desafios colocados pelas incertezas do lado oculto da Lua durante sua decolagem e ascensão, disse Qiao Dezhi, especialista espacial da China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC, em inglês).

O sistema de controle da Chang’e-6 também foi aprimorado para melhorar sua autonomia, permitindo que ela conclua a decolagem e ascensão lunares com dependência reduzida do satélite de retransmissão Queqiao-2 e do suporte terrestre, disse Huang Hao, outro especialista espacial da CASC.

Espera-se que o ascensor realize encontros e acoplamentos não tripulados com a combinação de orbitador e módulo de retorno na órbita lunar, e as amostras serão transferidas para o módulo de retorno.

A combinação de orbitador e módulo de retorno orbitará a Lua, aguardando o momento ideal para voltar à Terra. Quando se aproximar da Terra, o módulo de retorno que carrega as amostras lunares reentrará na atmosfera, visando um pouso na bandeira de Siziwang, na Região Autônoma da Mongólia Interior, no Norte da China, disse a CNSA. 

É proibida a reprodução deste conteúdo