Policial penal matou esposa e cunhada em João Pessoa ao se irritar com chegada da PM ao local, diz delegado

Central de Polícia de João Pessoa — Foto: Divulgação/Polícia Civil da Paraíba
Central de Polícia de João Pessoa — Foto: Divulgação/Polícia Civil da Paraíba

Por g1 PB — O delegado Diego Garcia, da Polícia Civil da Paraíba, declarou que o policial penal Osmani de Morais Pereira assassinou a esposa e a cunhada no exato momento em que uma viatura da Polícia Militar chegava em sua casa, chamada para atender uma denúncia de violência doméstica. Ele disse que os policiais ainda escutaram os disparos, dados à queima-roupa contra as vítimas, e que o suspeito atirou ao se irritar com a presença dos policiais.

O crime aconteceu por volta das 15h30 desse domingo (2) dentro da casa da vítima e do suspeito, localizada no bairro João Paulo II. As mulheres mortas foram identificadas como sendo Maria do Socorro Dias, esposa do suspeito e que tinha 64 anos, e Maria Lúcia Dias, cunhada e que tinha 66 anos. As duas eram irmãs.

Foi informado também que ao menos seis pessoas estavam na casa durante o crime, incluindo crianças. E que uma filha do casal presenciou parte do crime sendo cometido.

Diego Garcia classificou o ocorrido como “uma tragédia”. Ele destacou ainda que o casal já vinha em um relacionamento conturbado, com inúmeras discussões e problemas, e que testemunhas informaram que não era a primeira vez que ambos brigavam.

Osmani foi preso em flagrante pouco depois do crime, quando tentava atirar a esmo contra os policiais. O delegado disse que ele vai ser indiciado por duplo homicídio, praticado por motivo fútil e sem dar direito à defesa das vítimas.