Brasil terá Dia Nacional de Conscientização sobre a Esquizofrenia

Os centros de atenção psicossocial (Caps) oferecem tratamento de transtornos como esquizofrenia pelo SUS Lia de Paula/Agência Senado

Por Agência SenadoO governo federal sancionou a Lei 14.860, de 2024, que estabelece o dia 24 de maio como Dia Nacional de Conscientização sobre a Esquizofrenia. O objetivo da data é conscientizar a população para a necessidade de tratamento adequado da esquizofrenia e contribuir para a inclusão social dos pacientes com o transtorno, combatendo preconceitos e estereótipos. 

Apresentado pelo senador Flávio Arns (Podemos-PR), o projeto que deu origem à lei (PL 3.202/2019) foi aprovado pela Comissão de Educação (CE) do Senado em setembro de 2021, em caráter terminativo, e seguiu para a Câmara dos Deputados, onde foi aprovado terminativamente na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania daquela Casa em dezembro do ano passado.

A esquizofrenia é um transtorno descrito pela psiquiatria como uma série de sintomas que afetam o modo como uma pessoa pensa, sente e age, consistindo em grave desestruturação psíquica que leva à perda da capacidade de integração de sentimentos com pensamentos. Ela provoca alucinações ou alterações da percepção, como “ouvir vozes”, ter visões e sensações não compartilhadas por outras pessoas, mas que parecem reais para o paciente. Essas alucinações podem impactar o comportamento e a rotina da pessoa, dificultando as relações pessoais e a vida social e profissional. 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o transtorno é a terceira causa de perda da qualidade de vida entre indivíduos entre 15 e 44 anos. No Brasil, estima-se que cerca de 1,6 milhão de pessoas sofram com o transtorno e com o estigma que o acompanha. 

Durante os debates no Senado sobre a proposta, Arns defendeu que a sociedade precisa saber que o tratamento envolve medicamentos, psicoterapia, terapias ocupacionais e a conscientização da família, que absorve a maior parte das tensões geradas pela doença. Também explicou que esquizofrenia não tem cura, mas não impede uma vida integrada à sociedade e produtiva, se houver tratamento adequado com medicamentos e apoio psicossocial.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece serviços e ações para o tratamento desses pacientes, principalmente nos centros de atenção psicossocial (Caps). Segundo dados do governo federal, são investidos mais de R$ 794 milhões por ano para custear 2,7 mil centros espalhados pelo país.