Dois novos estabelecimentos são autuados por despejo de esgoto de forma irregular na orla de João Pessoa

Por g1 PB — Mais dois estabelecimentos foram autuados por despejo de esgoto de forma irregular na orla de João Pessoa, nesta terça-feira (14). A informação foi confirmada pela Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema), que faz operação para manter conter a ação irregular na região das praias.

De acordo com a Sudema, os dois estabelecimentos se tratam de quiosques, que além das autuações foram também embargados até a resolução do lançamento irregular de resíduos líquidos para a rede adequada de coleta de esgoto. Os locais também foram multados.

Desde a última sexta-feira (10), sete estabelecimentos da orla da capital paraibana foram flagrados com irregularidades na rede de esgoto. Na segunda (13), dois deles foram autuados e embargados, por conta do despejo irregular, e os outros dois foram notificados. Já na sexta-feira (10), três estabelecimentos localizados na orla de Cabo Branco foram autuados, sendo um restaurante e dois quiosques.

O g1 entrou em contato com um dos estabelecimentos autuados pela Sudema, mas ainda não obteve retorno. Em relação ao outro local, não foi localizado canais de contato.

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) instaurou um inquérito civil com o objetivo de apurar a poluição ambiental registrada nos últimos dias na orla de João Pessoa. Em entrevista à CBN, a promotora Cláudia Cabral, que atua na defesa do meio ambiente, afirmou que pleiteia uma atuação mais rígida dos órgãos fiscalizadores e que os estabelecimentos poluidores sejam devidamente responsabilizados.

O tema será objeto de debate em reunião desta quarta-feira (15) que contará com a presença de representantes do MP e instituições como a Cagepa, Sudema e os órgãos municipais de fiscalização.

“Estamos requisitando dos órgãos que fizeram essa operação, especialmente da Sudema, todos os autos de infração e termos de embargo para que assim possamos individualizar as condutas e frear imediatamente essa atividade poluidora”, explica a promotora que atua na defesa do meio ambiente, Cláudia Cabral.

A promotora destaca ainda que a rede de esgotamento sanitário em João Pessoa sofre atualmente um colapso. “Ela não atende mais a demanda da cidade. A cidadee cresceu. Tudo cresceu. Ela precisa ser urgentemente readaptada”, disse.