Mulher vítima de desabamento morreu após sofrer embolia pulmonar, afirma Numol

Estrutura de show desabou durante festa em João Pessoa — Foto: Clilson Júnior/Arquivo Pessoal
Estrutura de show desabou durante festa em João Pessoa — Foto: Clilson Júnior/Arquivo PessoalEstrutura desaba em João Pessoa durante festa — Foto: TV Cabo Branco/Reprodução

Por g1 PB — Isabela Toscano Lira, de 42 anos, uma das vítimas do desabamento da estrutura da casa de eventos no bairro Portal do Sol, em João Pessoa, morreu na noite da sexta-feira (10), após sofrer uma embolia pulmonar. A informação da causa da morte foi confirmada pelo Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol), que foi responsável por realizar o exame cadavérico.

De acordo com o chefe do Numol, Flávio Fabres, a equipe de plantão do núcleo constatou a morte de Isabela e informou que a vítima possuía uma cirurgia na região cervical que se estendia até a região toráxica.

Durante a autópsia, foi constatado a existência de um coágulo que obstruiu as vias de saídas do coração, sendo responsável pela morte da vítima.

Segundo o Instituto de Polícia Científica da Paraíba (IPC), a vítima veio a óbito às 22h45 da sexta-feira e o corpo dela foi transferido para o IPC diretamente do Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, onde na última quarta-feira (8) ela teve alta hospitalar confirmada.

O g1 entrou em contato com o Hospital de Trauma da capital, que afirmou que Isabela Lira deu entrada novamente na unidade na noite da sexta, com quadro clínico grave. Não foi especificado do que se tratava a intercorrência de saúde que motivou a reentrada da vítima no na unidade de saúde. Ainda segundo o hospital, todos os procedimentos de urgência e emergência foram realizados.

Também em nota, a unidade disse que está coletando informações para entender o que aconteceu e aguarda laudo pericial do Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol), da Polícia Civil, para prestar maiores esclarecimentos.

Na noite do desabamento, a vítima sofreu uma lesão na coluna e precisou passar por uma cirurgia após o desabamento. Depois, seguiu internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sendo acompanhada também pelo setor de neurologia.

Ficando em observação desde então, com quadro clínico estável, ela recebeu alta da UTI nessa quarta-feira (8), sendo transferida para a enfermagem. Algumas horas depois, os médicos decidiram que ela já tinha condições de ir para casa.

Isabela Lira foi a última vítima entre as dezenas que sofreram algum tipo de escoriação proveniente do desabamento da casa de shows a receber alta. Inicialmente, ela permaneceu dez dias internada.

LEIA TAMBÉM

Um acidente de grandes proporções deixou mais de 60 pessoas feridas numa casa de shows localizada no bairro de Portal do Sol, em João Pessoa. Uma festa acontecia no local, na noite de um domingo, dia 28 de abril, quando a estrutura de madeira e telha onde ficava o palco desabou.

Os responsáveis pelo estabelecimento UP Garden, onde o acidente aconteceu, foram procurados pelo g1 por várias vias de contatos, mas não responderam. Porém, em nota divulgada durante a tarde de segunda-feira (29), o estabelecimento afirmou que a responsabilidade pela realização do evento não é deles, porque apenas locaram o espaço físico.

O cantor Gustavo Sagaiz comemorava seu aniversário no estabelecimento no momento em que a estrutura desabou. De acordo com a defesa do artista, todas as normas públicas e contratuais foram respeitadas, sendo a casa de shows responsável pelo ocorrido.

No dia do acidente, quatro unidades de resgate do Corpo de Bombeiros e sete do Samu-JP foram acionadas, mas esse número de viaturas foi insuficiente. Assim, muitas das pessoas machucadas precisaram ser atendidas por familiares e amigos em carros particulares. Nas horas seguintes, pessoas feridas relataram o momento do desabamento.

Na segunda-feira, inclusive, uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba foi até o local do acidente. Depois, a instituição confirmaria que a casa Up Garden Altiplano estava irregular e não tinha autorização para realizar eventos. Inclusive, já tinha sido autuada em dezembro do ano passado por ter realizado um evento no local sem autorização.

Naquele dia, ao menos 61 pessoas foram internadas em diferentes hospitais de João Pessoa. Sendo 46 apenas no Trauma. Foram internadas ainda 12 pessoas no Complexo Hospitalar de Mangabeira, duas no Hospital Nossa Senhora das Neves e uma no Hospital da Unimed. Vítimas relataram na época detalhes do acidente.

O número de feridos, no entanto, é maior. Isso porque o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de João Pessoa (Samu-JP) informou que algumas pessoas foram atendidas ainda no local e foram liberadas em seguida.

O Crea-PB e a Polícia Civil da Paraíba também acompanham o caso. Ademais, o Ministério Público da Paraíba instaurou um inquérito civil para apurar as responsabilidades sobre o acidente.