Trabalhadores argentinos fazem greve contra reformas de Milei

Estação de trem Plaza Constitución em Buenos Aires durante greve
 9/5/2024    REUTERS/Agustin Marcarian

© REUTERS/Agustin Marcarian

Por Agência Brasil — Os sindicatos argentinos iniciaram uma greve geral nesta quinta-feira (9) contra as medidas de austeridade e as reformas planejadas pelo presidente Javier Milei, cuja redução de custos estabilizou os mercados locais, mas prejudicou a economia real.

A maioria dos sindicatos aderiu à paralisação por 24 horas, incluindo transporte público, o importante setor de grãos, supermercados, aeroportos e bancos.

Milei ganhou a eleição de forma surpreendente no ano passado, prometendo consertar com uma “motosserra” uma crise econômica que se desenvolveu durante os governos anteriores, levando ao esgotamento das reservas e à inflação de três dígitos.

Muitos na Argentina ainda apoiam seus planos depois de tantos anos de turbulência. No entanto, sua postura pró-mercado e seu duro remédio de austeridade afetaram os salários reais das pessoas, elevaram os já altos níveis de pobreza e fizeram a atividade econômica afundar no início do ano.

Hugo Yasky, secretário-geral da Central de Trabajadores e Trabajadoras de la Argentina (CTA), postou no X que a greve era contra “um governo que só beneficia os ricos às custas do povo, doa recursos naturais e busca eliminar os direitos dos trabalhadores”.

A ação é um teste para Milei. O governo está tentando aprovar um amplo pacote de reformas, incluindo reformas trabalhistas que causam divisão, no Senado, depois de obter aprovação na Câmara dos Deputados, apesar de ter apenas uma minoria no Congresso.

A greve resultou em voos suspensos, portos paralisados e escolas e universidades com funcionamento mínimo. Os mercados terão atividade reduzida nesta quinta-feira, já que os bancos permanecerão fechados porque seus funcionários estão em greve.

“É uma greve que não tem motivo ou justificativa aparente”, disse o porta-voz da presidência, Manuel Adorni, em uma coletiva de imprensa um dia antes da paralisação, acrescentando que cerca de sete milhões de pessoas serão afetadas pela falta de transporte.

*É proibida a reprodução deste conteúdo