Prefeitura de Campina Grande reforma 53 unidades de saúde e amplia serviços

Uma das principais reestruturações foi da Policlínica da Bela Vista, que atende mais de 75 mil cidadãos. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCG
Uma das principais reestruturações foi da Policlínica da Bela Vista, que atende mais de 75 mil cidadãos. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGAs Unidades Básicas de Saúde estão sendo reformadas com um padrão superior para atender melhor. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGO número de consultórios odontológicos em Campina Grande subiu de 45 para 59 e vai saltar para 120. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGO Odontomóvel leva serviços de saúde bucal a sítios e comunidades distantes. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGA população tem aprovado os serviços de Saúde Bucal. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGA maternidade é a maior da Paraíba e está passando por completa reforma. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGCentro cirúrgico do Hospital Dr. Edgley foi construído em 2022. — Foto: Codocom-PMCGA Clínica Escola do Autismo AFETO é a única do modelo no Norte-Nordeste. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCGO Castramóvel já realizou mais de 2 mil cirurgias de castração de cães e gatos em Campina Grande. — Foto: Nelsina Vitorino/Codecom-PMCG

Por g1 PB — O mês de maio de 2024 marca uma data importante na saúde pública municipal de Campina Grande. A cidade atinge 30 anos da implantação da Estratégia de Saúde da Família (ESF). A Rainha da Borborema foi uma das primeiras cidades a implantarem o programa na Paraíba. O programa começou em 1994 com três equipes e hoje conta com 121. Agora, a cidade vai saltar para 203 equipes, garantindo assistência básica em saúde para 100% da população. Para isto, a Prefeitura de Campina Grande está investindo na recuperação dos prédios da Atenção Básica e mais da metade já foi completamente reestruturada.

A ampliação faz parte do projeto Campina Atende Mais, que está vinculado ao programa federal APS do Futuro. São 82 novas equipes de ESF para garantir atendimento a todas as áreas descobertas da cidade e melhorar a qualidade da assistência, já que cada equipe passa a ficar responsável por um número menor de pacientes. Com isso, novas unidades estão sendo abertas e as existentes estão sendo reformadas para abarcar as novas equipes de enfermeiros, médicos, técnicos de enfermagem, odontólogos, assistentes sociais, recepcionistas e porteiros.

Dos 88 prédios iniciais da Atenção Primária à Saúde de Campina Grande, mais de 40 já foram reestruturados pela gestão municipal ou estão em reforma. Ou seja, mais da metade das unidades existentes passaram ou estão passando por requalificação estrutural. E outras 9 UBS foram implantadas, fazendo um total de 53. Desse modo, o número de prédios da Atenção Básica no município saltou para 96. Além disso, outras nove ordens de serviço foram assinadas para reformas de UBS e mais três unidades serão construídas.

“Isto representa um marco histórico para a cidade. Recuperamos mais da metade dos postos de saúde e estamos quase duplicando o número de equipes de saúde da família, levando cobertura a 100% dos territórios e a 100% da população. Este índice é inédito. Campina Grande foi uma das cidades no Brasil com o maior número de novas equipes por meio do programa APS do Futuro e isso foi possível graças à estruturação da nossa rede e ao investimento que temos feito”, destacou o secretário de Saúde, Carlos Marques Dunga Júnior.

Carlos Dunga se refere ao investimento anual na saúde pública municipal. A legislação exige que o investimento seja de no mínimo 15% do orçamento do Poder Executivo e a cidade tem empregado 29% dos recursos públicos municipais na saúde, o que representa quase o dobro do mínimo constitucional.

Quer descobrir algum serviço da Secretaria de Saúde de Campina Grande? Acesse clicando aqui.

Além disso, foram adquiridos novos equipamentos como 50 balanças neonatais e 10 balanças digitais, 200 equipamentos de monitoramento de frequência cardíaca na gestação (doppler fetal), 110 negatoscópios, 70 mesas ginecológicas e 150 focos ginecológicos, 1 equipamento de ultrassom, 5 eletrocardiógrafos, 75 mesas clínicas com escadinhas, 30 novas poltronas acolchoadas e reclináveis para pacientes e acompanhantes, 93 aparelhos televisores, 600 computadores, 100 aparelhos de ar-condicionado, 80 bebedouros, 50 ventiladores, 250 estantes, 50 cadeiras longarinas, 50 seladoras, 35 câmaras frias e 10 fogões industriais.

Assim como a expansão da ESF, está acontecendo a ampliação da odontologia. Dos 45 consultórios odontológicos iniciais, já houve a ampliação para 59 e o objetivo é aumentar para 120 equipes. Para isto, já foram convocados 28 cirurgiões-dentistas e 20 Auxiliares de Saúde Bucal por meio de concurso público municipal.

Também foi adquirido um Odontomóvel, com investimento de mais de R$ 1 milhão. O odontomóvel leva serviços de saúde bucal a áreas remotas, como sítios muito distantes.

Ainda foram abertos os Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) do Catolé e da Catingueira e uma central de dispensação de insumos odontológicos.

Na Unidade de Pronto Atendimento Dr. Raimundo Maia (Alto Branco) foi aberto um plantão de saúde bucal para casos de urgência, que funciona diariamente das 7h às 23h.

Para dar suporte à Atenção Básica, houve também nos últimos quatro anos uma reestruturação da rede hospitalar. No Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA), que é a maior maternidade da Paraíba, toda a estrutura está sendo reformada.

A Ala das Flores, Ala Canguru, o Centro de Parto Normal e o Berçário Intermediário já foram reformados. O centro cirúrgico, os ambulatórios, a UTI Neonatal e a UTI Materna passam por reforma atualmente. Também foi construída uma unidade semi-intensiva.

No Hospital Municipal Dr. Edgley, foi construída uma UTI do Idoso com dez leitos e uma enfermaria com 30 leitos, além de um centro cirúrgico com cinco salas de cirurgia, onde foi possível iniciar, inclusive, cirurgias bariátricas. Na unidade hospitalar, também foi implantado um serviço para atendimento a pacientes com varizes.

No Hospital Municipal Pedro I, todas as alas foram reformadas, houve a implantação de climatização com aparelhos de ar-condicionado, a reabertura da ala de ortopedia e o centro cirúrgico está sendo reformado. Uma nova recepção também está sendo construída.

A grande novidade da Saúde Mental é a abertura da Clínica Escola do Autismo AFETO, a única neste modelo no Norte-Nordeste. A clínica oferece assistência em saúde e em educação integral a crianças com Transtorno do Espectro Autista.

Também houve a abertura de um Ambulatório de Saúde Mental na Policlínica do Catolé e devem ser implantados mais dois Centros de Atenção Psicossocial, duas Residências Terapêuticas, além de duas unidades de acolhimento para pessoas em sofrimento psíquico.

O Centro de Controle de Zoonoses ganhou um Castramóvel, serviço que já realizou mais de 2 mil cirurgias em vários bairros da cidade. O CCZ também passou por reforma e recebeu novos canis e gatis, o que possibilitou realizar as castrações de animais de rua, promovendo maior controle populacional.

Ainda existiram vários outros avanços como a Central de Transferência com 8 ambulâncias; implantação da Central de Acesso do Cidadão aos Serviços do SUS (AcesSUS), pelo telefone 3077-1321); abertura do Centro Municipal de Infectologia Silvestre Gonçalves Maia para pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis; compra de equipamentos para combate aos arbovírus e abertura do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), o primeiro da Paraíba.

Unidade construída:

Unidades reformadas ou realocadas e requalificadas:

Unidades implantadas:

Unidades em reforma:

Unidades para reformar:

Unidades a serem construídas: