Liga do Bem envia carreta com doações para o Rio Grande do Sul

A doação pode ser feita em dinheiro e por pix (chave: apcnsocial@gmail.com) ou os cobertores podem ser entregues nos postos de arrecadação no Senado e em vários pontos do Distrito Federal.
Voluntários separam e classificam doações de servidores do Senado a serem enviadas às vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul Geraldo Magela/Agência Senado

Por Agência Senado — Uma carreta lotada com doações vai partir, na noite desta quinta-feira (9), da garagem do Senado para o Rio Grande do Sul. As doações foram arrecadadas pela Liga do Bem, grupo de trabalho voluntário composto por servidores do Senado. Criada em 2015, a Liga do Bem ajuda pessoas em condição de vulnerabilidade social. Algumas ações são desenvolvidas por meio de parcerias com outras entidades.

A coordenadora do Liga do Bem, Patrícia Seixas, explicou que os voluntários estavam envolvidos com a campanha do frio, mas tiveram que mudar o foco no último dia 3 de maio, por conta da tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. Segundo Patrícia, as doações vieram de vários pontos de coleta espalhados no Senado e em outros pontos da cidade. Ela disse que, diante do volume doado, ficou impossível saber exatamente o peso total do que foi arrecadado. A carreta tem capacidade para 36 toneladas e vai partir cheia de cobertores, roupas, garrafas d’água, alimentos e itens de higiene, entre outros produtos.

Patrícia ainda informa que os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) já estão com a agenda lotada com o envio de doações. Daí a opção do transporte com a carreta, que foi doação de motorista conhecido como Ventania, amigo de um servidor aposentado do Senado. O Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis) está pagando o combustível e o pedágio será pago pelos servidores voluntários da Liga do Bem. O Senado vai enviar duas viaturas para escoltar a carreta durante a viagem.

— A gente quer que isso chegue rápido — registrou a coordenadora, destacando o grande número de voluntários na organização dos itens doados.

Conforme informou Patrícia, as coletas continuam e novos envios para o Rio Grande do Sul devem ocorrer nos próximos dias. Ela destaca a importância de a doação vir identificada, com a indicação, por exemplo, do tipo de roupa, conforme o gênero e o tamanho. De acordo com Patrícia, os voluntários também fazem uma triagem inicial, para que nada se perca. Assim, roupas e sapatos que não seguem para doação serão doados para trabalhos de reciclagem.

— É a grande corrente do bem. A gente vai ficar e vai até onde for possível ajudar — ressaltou.

Cobertores

Na terça-feira (7), a Liga do Bem foi até à Base Aérea de Brasília levar uma parte do que já havia sido arrecadado. O objetivo era conseguir 5 mil cobertores, mas o grupo arrecadou 5.500. Além dos cobertores, a Liga do Bem conseguiu 1.364 litros de água mineral, 53 quilos de lei em pó e mais de 360 outros itens de roupa de cama. Em pronunciamento no Plenário na última terça-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, elogiou os esforços da campanha.