Girão destaca ações do Congresso dos EUA sobre a censura no Brasil

À tribuna, em discurso, senador Eduardo Girão (Novo-CE).
Waldemir Barreto/Agência Senado

Por Agência Senado — O senador Eduardo Girão (Novo-CE) destacou, em pronunciamento nesta quarta-feira (8), ter participado, na terça-feira (7), de uma audiência sobre a democracia brasileira na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos. O parlamentar afirmou que a reunião foi provocada por um relatório de quase 500 páginas feito pela Comissão de Assuntos Judiciários da própria Câmara, com “graves denúncias de violação constante à liberdade de expressão no Brasil”. 

— Foram ouvidos os depoimentos fidedignos do jornalista Michael Shellenberger, que é americano e está sofrendo perseguição também desse regime que hoje está vigente no Brasil; do CEO da plataforma Rumble, que foi praticamente banida do país, um depoimento fortíssimo que ele deu lá, o Chris Pavlovski; e o emocionado testemunho do jornalista brasileiro exilado nos Estados Unidos, que é o Paulo Figueiredo. Aliás, esse comitê, inclusive, nesta semana, já acionou a OEA [Organização dos Estados Americanos] para obter esclarecimentos oficiais sobre os graves episódios que estão abalando a nossa democracia: essa questão de censura, de perseguição da oposição, dos conservadores, porque esse assunto aqui transcende direita e esquerda, se é contra governo, se é a favor de governo; é liberdade de expressão, é um direito garantido pela nossa Constituição.

Girão também criticou o governo federal e afirmou que o Executivo, através da Secretaria de Comunicação e do Ministério da Justiça, está agindo para calar cidadãos que fazem críticas às falhas no socorro às vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul. Segundo o senador, o governo pediu que a Polícia Federal investigue imediatamente pessoas que divulgam a “inoperância” do Executivo.

— Uma das denúncias divulgadas por vários veículos de comunicação do Brasil mostra caminhões transportando produtos sendo multados em postos da Polícia Rodoviária Federal por razões puramente burocráticas, uma profunda incoerência num momento de calamidade em que brasileiros de praticamente todos os estados têm feito cotização, têm se desdobrado, contribuindo voluntariamente, numa grande corrente do bem para diminuir um pouco da dor e do sofrimento do povo do Rio Grande do Sul. Se essas denúncias fossem realmente falsas, então por que hoje, 8 de maio, a Agência Nacional de Transportes Terrestres publica a Portaria n° 110, autorizando a flexibilização na fiscalização aos caminhões transportando donativos para o Rio Grande do Sul? É mais uma grande prova da importância da garantia da liberdade de expressão nas redes sociais.