Robson e Keitiane posam com as três filhas e com o diretor do Hospital Giselda Trigueiro, em Natal, André Prudente. — Foto: Divulgação

Por g1 RN — A manhã de trabalho foi diferente nesta quinta-feira (30) no Hospital Giselda Trigueiro, que pertence à rede pública de saúde do Rio Grande do Norte. A equipe ficou emocionada com a visita surpresa de um casal de Manaus que foi tratado na unidade e voltou quase um ano depois para agradecer aos profissionais.

Robson Sena do Nascimento e Keitiane Teixeira do Nascimento foram os primeiros dos 52 pacientes transferidos de Manaus para Natal durante a crise de falta de oxigênio hospitalar que o estado do Amazonas passou em janeiro de 2021, no auge da pandemia da Covid-19.

Nesta quinta-feira (30) eles voltaram ao hospital, dessa vez em uma viagem de férias com as três filhas, para agradecer pelas vidas salvas.

“Hoje voltamos aqui para trazer nossas filhas para conhecer o lugar em que fomos salvos. Posso dizer que vocês salvaram nossas vidas”, disse Keitiane Teixeira, emocionada.

Segundo Robson, a viagem cumpre uma promessa feita por ele ao deixar a capital potiguar de volta ao Amazonas, após a alta hospitalar. Ele falou que a família voltaria a Natal para conhecer a cidade e agradecer pela acolhida, que ele considerou como um renascimento.

“Graças à equipe do hospital nós tivemos uma atenção muito diferenciada do que vinha acontecendo na nossa cidade. Lá, o caos se implantou naquele período, nós perdemos muita gente querida e, com certeza, se não fosse pela oportunidade que tivemos de vir para cá e pela equipe exemplar que nos recebeu, hoje nós não estaríamos contando a história”, afirmou.

O casal esteve internado em estado grave, diagnosticados com Covid-19, no período de 18 a 29 de janeiro de 2021 e, no retorno à unidade, ainda lembrava o nome de parte da equipe, como o diretor do hospital, médicos e enfermeiros. Eles ainda devem voltar a unidade para encontrar alguns profissionais que não estavam na escala de trabalho na manhã desta quinta (30).

No dia da alta, o homem e a mulher, que perderam suas mães para a Covid-19, afirmaram que viraram potiguares.

“A emoção de recebe-los foi muito grande, porque eles foram os primeiros de Manaus. Chegaram no auge da crise de oxigênio de lá, quando muitas pessoas não tinham como internar no Amazonas como um todo. O Secretário de Saúde, entrou em contato comigo para que pudéssemos aceitar os pacientes e fizemos o possível para recebe-los. Eles chegaram agravados e foram melhorando dia após dia. E hoje eles trouxeram as três filhas para conhecer o lugar que salvou a vida deles e isso nos dá uma felicidade imensa, essa é nossa razão em estarmos aqui”, disse o diretor do hospital, André Prudente.

A família vai passar o Réveillon de 2022 em Natal e deve voltar para casa em janeiro.