Apresentador e repórter policial Francileno Góis, de 50 anos, morreu de complicações da doença. — Foto: Cedida

Por Iara Nóbrega e Augusto César Gomes e G1 RN — O jornalista Francileno Góis, de 50 anos, morreu vítima da Covid-19 nesta quinta-feira (15), na cidade de Pau dos Ferros, na região Alto Oeste do Rio Grande do Norte. Ele foi internado no dia 4 de abril no Hospital Regional Dr. Aguinaldo Pereira da Silva, em Caraúbas. No dia 8 precisou ser transferido para a UTI e foi encaminhado para o Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade, em Pau dos Ferros.

O apresentador e repórter policial chegou a usar o capacete ELMO, mas, na quarta-feira (14), foi necessário intubar e, nesta quinta, veio a óbito devido a complicações da Covid-19.

Francileno, natural de Caraúbas, trabalhava no grupo TCM, em Mossoró, desde 2009, e construiu uma trajetória de destaque na crônica policial do estado.

A TCM lamentou a perda de “um profissional dedicado e um ser humano iluminado. Sentiremos falta do seu bom humor e seu comprometimento com a verdade, assim como seu carinho com todos”.

Francileno era muito querido pelos colegas da imprensa. Ele deixa esposa e duas filhas.

“Francileno amava a notícia. Ele perdeu a luta contra a Covid depois de levar muita informação para quem estava em casa. Orgulhou a profissão”, contou o jornalista Filipo Cunha em homenagem publicada em uma rede social.

O corpo do jornalista foi sepultado no início da noite desta quinta-feira, no Cemitério Público São Sebastião, em Caraúbas.