Usuários do equipamento estão tendo suas informações pessoais cadastradas sem maiores esclarecimentos — Foto: Assessoria de Comunicação

A deputada Cristiane Dantas (SDD) utilizou o horário dos deputados na sessão desta terça-feira (15) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte para questionar cadastramento de usuários no Restaurante Popular, em São José de Mipibu. Segundo a parlamentar, os usuários do equipamento estão tendo suas informações pessoais cadastradas sem maiores esclarecimentos.

“Estão pegando os dados de todos os usuários que estão indo ao local para fazer as suas refeições. Isso é, no mínimo, muito estranho. Qual a finalidade de pegar nome, endereço, telefone, de pessoas que vão lá para fazer uma refeição?”, questionou a parlamentar.

A própria Cristiane respondeu, em seguida, que “não tem lógica se não for com objetivo eleitoral”.

Já o deputado Vivaldo Costa (PSD) abordou a importância do “Setembro Amarelo”, mês marcado por ações de conscientização para evitar casos de suicídio. O parlamentar, que também é médico, ressaltou a importância do tema ser debatido nas escolas e universidades. “Através da informação é que o cidadão pode se prevenir”, disse.

Vivaldo ainda enfatizou a importância de trabalhos como o dos Centros de Valorização da Vida (CVVs), realizado por voluntários que estão disponíveis para orientar pessoas em situação de depressão ou com ansiedade. Além disso, elogiou o programa “Vida fala mais alto”, realizado em São José do Seridó, que tem o mesmo objetivo. O parlamentar pediu que o Governo do Estado reproduza esta iniciativa para outras cidades.

O deputado Sandro Pimentel (PSOL) abordou a retomada dos serviços presenciais do INSS, que não contou com a volta dos médicos peritos da instituição. “O retorno foi anunciado, mas não avisaram que não voltariam com os peritos. As pessoas fizeram filas desde a madrugada para depois saberem que médicos peritos não estavam atendendo. Desrespeito com o cidadão”, disse o parlamentar.

Na opinião de Sandro, a estratégia do Governo Federal tem sido “acabar com a previdência, entregar o sistema ao setor bancário, ao grande capital”.