Vilson Saramento, de 56 anos, caiu quando passava em ponte pênsil. Fenômeno causou a morte de onze pessoas em SC, uma no RS e outra no PR — Foto: Prefeitura de Canelinha

Por Karollayne Rosa, G1 SC — O corpo de Vilson Saramento, de 56 anos, foi encontrado na manhã desta segunda-feira (6) às margens do Rio Tijucas, em Canelinha, na Grande Florianópolis. Ele estava desaparecido desde o “ciclone bomba” do último dia 30, e foi encontrado por volta das 11h45 por um chacareiro, às margens de uma fazenda, informou o Corpo de Bombeiros.

Com essa morte, sobe para onze o número de vítimas fatais em Santa Catarina em decorrências dos estragos provocados pelo fenômeno climático, com base em informações da Defesa Civil. Também foram registradas uma morte no Rio Grande do Sul e outra no Paraná.

Durante a manhã desta segunda, os bombeiros militares de Tijucas fizeram buscas no local à procura do desaparecido. Saramento caiu no Rio Tijucas enquanto atravessava de moto uma ponte pênsil.

De acordo com a Defesa Civil municipal, as madeiras do piso, na parte central da ponte, cederam pela força do vento, provocando a queda do motociclista. O acidente ocorreu na Rua Juvêncio Mafra, na tarde de terça-feira. A motocicleta da vítima foi encontrada por mergulhadores no dia seguinte, com a ajuda de moradores.

Vilson é ex-funcionário da prefeitura e trabalhou como porteiro da guarita do prédio municipal.

Estado de emergência

A prefeitura de Canelinha decretou situação de emergência por causa dos danos causados pelo ciclone. Nesta segunda foi feita a distribuição de telhas, lonas e colchões entregues pelo órgão estadual.

Foram registradas queda de árvores e galhos, queda de postes, ruas obstruídas, destelhamento de casas, danos em prédios públicos e empresas, além do desabamento da estrutura da ponte pênsil Lindolfo Elpídio Laus, onde a vítima desapareceu.

Segundo a equipe da Secretaria de Obras, o bairro Cobre foi o mais atingido do município, onde quatro postes caíram na Rua Verônica Wechrmeister pela força do vento. No bairro Moura, um poste se partiu durante o vendaval e outro caiu.

O bairro Areão e a localidade do Morro do Macadame foram os locais que mais registraram danos em residências. Nos bairros Galera, Índia, Papagaios, Centro e Areão, além das casas, houve também prejuízos em empresas.

O prédio público mais atingido da cidade foi o Centro Cultural, Social e Recreativo Arthur Adolfo Jachowicz, que teve o telhado e parte da estrutura destruídos.

Segundo relatório da Secretaria de Educação, houve destelhamento em todas as escolas e creches municipais, e foram registrados danos aos ginásios nos bairros Areão e Índia. Já as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e a secretaria de saúde sofreram apenas destelhamentos.

Houve ainda rompimento da rede elétrica, de telefone e internet. Ao meio-dia desta segunda, 848 de 5,1 mil imóveis permaneciam sem energia na cidade, conforme monitoramento da Celesc.