Três novos casos apareceram no Estado nesta quinta-feira, dia 27. (arquivo)— Foto: © Reuters/D. Ruvic

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (SESAP) confirmou nesta quinta-feira (27) suspeita de coronavírus em cinco pacientes do Rio Grande do Norte. Todos relatam sintomas gripais e passagem pela Itália, que vive um surto da doença nos últimos dias.

Em nota, a SESAP informou que, dos três casos notificados na quarta-feira (26), dois evoluíram para “suspeitos”, um segue em investigação e outros três novos casos apareceram no Estado nesta quinta – esses já com suspeitas confirmadas.

O médico infectologista Alexandre Motta, integrante do corpo clínico do Hospital Giselda Trigueiro, unidade de referência em doenças infectologistas no Rio Grande do Norte, avalia que a população não precisa entrar em pânico.

De acordo com a SESAP, um caso deixa a condição de “notificado” e se torna “suspeito” quando exames preliminares descartam infecção por doenças comuns, como a gripe. A próxima etapa é o encaminhamento de amostras de sangue para a Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, que vai determinar se os pacientes têm mesmo coronavírus ou não.

Na quarta-feira, a Secretaria de Saúde Pública informou que investigava três possíveis casos suspeitos em uma menina de 10 anos que esteve na China e em duas mulheres (uma de 28 e outra de 45 anos) que passaram pela Itália. Os três novos casos serão detalhados em entrevista coletiva às 15h.

Ainda segundo a SESAP, todos os pacientes estão em “isolamento domiciliar”. Isso significa que os pacientes estão em casa, mas com recomendação para procedimentos especiais. Eles usam máscaras e têm de adotar uma série de precauções para evitar o possível contágio para outras pessoas, como lavar as mãos com mais frequência.

A Secretaria de Saúde recomenda que pacientes que apresentarem sintomas gripais e que têm histórico de passagem por um de 16 países (China, Japão, Irã, Vietnã, Camboja, Tailândia, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Singapura, Alemanha, Austrália, Emirados Árabes, Filipinas, França, Itália e Malásia) procurem o serviço de saúde mais próximo e evitem locais públicos.