Novos exames estão sendo feitos, mas Cid não corre risco de morte — Foto: Reprodução de internet

Por Estadão Conteúdo — O senador Cid Gomes (PDT-CE), de 56 anos, foi atingido por dois tiros de arma de fogo, e não com tiros de borracha, conforme havia sido divulgado anteriormente. Cid foi baleado na tarde desta quarta-feira (19) em meio a um protesto de policiais que reivindicam aumento salarial. O senador pilotava uma retroescavadeira e tentava furar um bloqueio feitos por policiais militares no Centro de Sobral.

Ciro Gomes (PDT), irmão de Cid e ex-governador do Ceará, comentou em sua conta no Twitter sobre o caso. Segundo Ciro, o senador foi vítima de dois tiros de arma de fogo “por parte de policiais militares amotinados e mascarados”. (ASSISTIR VÍDEO ABAIXO)

“Até aqui as informações médicas são de que as balas não atingiram órgãos vitais apesar de terem mirado seu peito esquerdo. Novos exames estão sendo feitos, mas a palavra aos familiares e amigos é de que Cid não corre risco de morte”, informou Ciro Gomes.

O caso

Cid foi atingido pelos tiros enquanto tentava arrombar o portão de um batalhão da Polícia Militar cearense na cidade de Sobral. Operando uma retroescavadeira, o parlamentar avançou contra o portão e os agentes de segurança que estavam no batalhão, como pode ser visto em vídeos publicados na internet. O senador criticava os protestos de policiais, que reclamam aumento salarial.

Ciro Gomes disse esperar “que as autoridades responsáveis apresentem prontamente os marginais que tentaram este homicídio bárbaro às penas da lei”.

O líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), disse que duas balas de verdade que atingiram o ombro de Cid. “Não foram de borracha”, contou o deputado.