O Cruzeiro, com apenas 36 pontos, termina no 17º posto, o primeiro dentro da zona de rebaixamento — Foto: Cesar Greco/Divulgação

GAZETA ESPORTIVA — O Estádio do Mineirão viveu uma tarde conturbada neste domingo. Na última rodada do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras garantiu o terceiro lugar ao ganhar por 2 a 0 do Cruzeiro, rebaixado à Série B. Com confusão nas arquibancadas, o árbitro Marcelo de Lima Henrique resolveu encerrar o jogo antes do fim do tempo regulamentar.

Superados pelo campeão Flamengo (90), Santos e Palmeiras terminam com os mesmos 74 pontos, mas o time praiano leva vantagem no número de vitórias (22 a 21) e, portanto, garante o vice-campeonato. O Cruzeiro, com apenas 36 pontos, termina no 17º posto, o primeiro dentro da zona de rebaixamento.

Com o terceiro lugar do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras tem direito de participar diretamente da fase de grupos da edição de 2020 da Copa Libertadores. Em seu primeiro compromisso na próxima temporada, marcado para 15 de janeiro, o time alviverde pega o Atlético Nacional, pela Copa Flórida.

Adilson Batista

Após a derrota que sacramentou o primeiro rebaixamento da história do Cruzeiro, o treinador Adilson Batista concedeu entrevista coletiva ao lado do gestor de futebol Zezé Perrella, e não poupou palavras para definir a situação que vive o clube.

O atual comandante do clube mineiro citou inclusive Rogerio Ceni, que teve curta passagem pela equipe neste ano e sobretudo no momento de sua saída, escancarou os problemas que há nos bastidores da Raposa.

“Meu amigo Rogerio Ceni estava certo em muitas coisas. Tem muita coisa errada aqui. Zezé acabou de dizer. Falta aspecto fisico, qualidade. Eu quero fazer parte dessa reconstrução. É triste encarar a Série B com a grandeza do Cruzeiro”, disse.

No entanto, Adilson já projetou a sequência de trabalho no Cruzeiro, ressaltando sempre que o clube precisa de mudanças drásticas para mudar de panorama.