Declaração foi dada durante o lançamento do Aliança pelo Brasil — Foto: Sérgio Lima / Poder360

Por Poder 360 — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 5ª feira (21.nov.2019) que “ladrão de celular tem que ir para o pau”. A fala foi feita no evento de lançamento de seu partido, o Aliança pelo Brasil, no Royal Tulip, em Brasília. A declaração acontece quase uma semana depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizer que “não aguenta mais 1 jovem ser morto porque roubou 1 celular”.

Bolsonaro falou sobre o projeto de lei que trata do excludente de ilicitude em operações de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) para todos os profissionais da área de segurança (policiais federais, civis, militares, rodoviários federais, etc.). “Vamos depender de aprovar isso lá. Será uma grande guinada no combate à violência no Brasil”, afirmou.

O presidente disse ser possível “diminuir a violência” no país. Defendeu o Pacote Anticrime do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). Falou ainda sobre as consequências da alta criminalidade para o comércio e mencionou a cidade onde tem uma casa, o Rio de Janeiro:

“Diminuindo a violência muitas coisas boas começam a acontecer. Na Barra da Tijuca, [Zona Oeste do Rio,] foram mais de 400 lojas fechadas. Lá onde tenho uma casa –e tenho muito carinho pelo porteiro.”

A menção ao porteiro se deve à citação de Bolsonaro no inquérito que investiga o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) e o motorista Anderson Gomes. O funcionário afirmou que “Seu Jair” autorizou a entrada de 1 dos suspeitos do crime no dia da morte (14 de março de 2018).

O acusado de ter feito os disparos, Ronnie Lessa, mora numa das casas condomínio, assim como Bolsonaro e seu filho Carlos, vereador pelo PSC no Rio. O porteiro afirmou em depoimento à Polícia que Élcio de Queiroz, outro suspeito, visitou Lessa naquele dia 14.

Para entrar, Élcio teria dito que iria à casa do presidente. Ao interfonar, “Seu Jair” teria autorizado a entrada. Depois, o porteiro mudou seu depoimento.