Major Olímpio defender a saída de Flávio Bolsonaro do PSL – Foto: Orlando Brito/Os Divergentes.

Por Poder 360O líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), voltou a criticar o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) nesta 2ª feira (7.out.2019) pelo fato de o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro atuar contra a criação da CPI da Lava Toga, que tem o objetivo de investigar os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

“Flávio Bolsonaro para mim acabou, não existe”, afirmou o senador em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Para Olímpio, a posição de Flávio não representa o governo nem o PSL. “O pai dele ganhou a eleição dizendo que seria intransigente no combate à corrupção dentro de qualquer 1 dos Poderes, inclusive do Judiciário”, disse. “Estou defendendo a CPI, estou me mobilizando por ela, porque é necessária”, completou.

Devido à articulação de Flávio para barrar a CPI da Lava Toga, a senadora Selma Arruda (MT) acabou saindo do PSL e se filiando ao Podemos. A favor da CPI, a senadora disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que o filho do presidente Bolsonaro gritou com ela pedindo para que não assinasse o pedido de criação.

Olímpio disse que também considerou sair do PSL, mas que depois chegou à conclusão de que “iria dar moleza para quem está errado”. “Então, eu e a Soraya Thronicke, também senadora pelo PSL, resolvemos ficar. Se tiver que sair, que saia ele, Flávio Bolsonaro”, disse. “Agora estou mais PSL do que nunca”, completou.

Questionado se as críticas a Flávio poderiam gerar desgaste com Bolsonaro, o senador disse acreditar que “o presidente não vai confundir as coisas”. “Eu não confundo as coisas, continuo sendo apoiador do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou.

“Comigo não tem essa conversa, não. Ah, é filho do presidente. Que se dane! É filiado que nem eu, vai ouvir as verdades que tem que ouvir”, afirmou. “Isso aqui não é dinastia, é partido”, completou.

Sobre rumores de que o próprio Jair Bolsonaro também estaria pensando em deixar o PSL, Olímpio disse que nunca ouviu isso do presidente. “Acho que ele não faria isso. Seria a mesma coisa que morar sozinho e fugir de casa. Ele é o dono da casa. Vai sair de 1 partido que está bem estruturado?”, disse o senador. “Vai começar do zero onde? Em uma sigla em que ele não vai ter o espaço e credibilidade que ele tem com a gente?”, questionou.

Em entrevista ao Poder em Foco, programa exibido no SBT em uma parceria editorial com o Poder360, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, disse que considera o debate sobre uma CPI da Lava Toga “desnecessário”.

“O que o país precisa é paz entre os Poderes, harmonia entre os Poderes. Porque o povo quer emprego, quer economia crescendo”, disse o ministro. “Qualquer tipo de embate entre os Poderes que extrapola aquilo que é o cumprimento da lei só vai prejudicar o cidadão”, completou.