Evento ocorreu nesta sexta-feira e faz parte da programação do Julho Verde no RN — Foto: Divulgação

Um mês de muitas informações, aprendizados e alertas. A campanha Julho Verde promoveu nesta sexta-feira (05), a segunda edição do Simpósio Multidisciplinar de Cabeça e Pescoço. O evento aconteceu no auditório do Centro Avançado de Oncologia, da LIGA e contou com a participação de mais de 100 profissionais da saúde, entre médicos, fonoaudiólogos, odontólogos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, nutricionistas e demais da área.

O Julho Verde é uma campanha, da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), de grande relevância no combate ao câncer de cabeça e pescoço e já atua no Rio Grande do Norte há quatro anos. Além de promover um calendário de ações com orientações e alertas à população, a campanha também se preocupa com a capacitação dos profissionais do estado no momento de tratar um paciente com essa doença.

Evento ocorreu nesta sexta-feira e faz parte da programação do Julho Verde no RN — Foto: Divulgação

É com essa ideia central, a de nortear e qualificar ainda mais os profissionais da área da saúde, que o Julho Verde, desde o ano passado, promove o Simpósio de Cabeça e Pescoço, chegando a sua segunda edição neste ano. O momento é reservado para que nele possam ser debatidos temas como tratamento, reabilitação, cirurgias, cuidados do pós-operatório, questões psicológicas, nutricionais e outras abordagens. “Esse momento de encontro e troca que o Simpósio proporciona, agrega muito valor na lida diária com os pacientes. É necessário que nós, profissionais, tenhamos capacidade de orientar essas pessoas acometidas pela doença, desde o início até a sua reabilitação, pois são muitos os fatores que afligem essas pessoas e nós precisamos estar preparados para auxiliar da melhor maneira possível”, explica o Dr. Luís Eduardo Barbalho de Mello, presidente da SBCCP.

A programação do Simpósio em Natal contou com mesas redondas e debates em torno de assuntos como Câncer de Tireóide; Como evitar complicações nas cirurgias; Cuidados pós-operatórios; Câncer de Boca; Câncer de Pele; Sinais e sintomas; Manuseio das Disfonias pós-tireoidectomias, esse último abordado pela fonoaudióloga Carla Afonso Lira, da LIGA contra o câncer. “A edição superou nossas expectativas. Lotamos o auditório com profissionais que almejam, diariamente, o bem estar desses pacientes. E, vale salientar que, o trabalho é em conjunto, envolvendo assim, boa parte das especialidades da saúde. Portanto, precisamos não só alertar para o diagnóstico precoce, mas também saber como evitar as sequelas anatômicas e funcionais no paciente e auxiliá-lo mesmo após a cura” detalhou a fonoaudióloga Carla Afonso.

Além da capital, o Simpósio também será realizado em Caicó. Sendo esta, a primeira vez do município a receber o evento marcado para o dia 12 de julho, às 8h, com foco para o mesmo público-alvo do que aconteceu em Natal, incluindo no programa, debates e mesas redondas.

Programação Julho Verde

A programação do Julho Verde continua. Além das edições do Simpósio, a campanha promove ações paralelas. No dia 11, tem “Momento Verde” no Hospital Luiz Antônio; dia 19 de julho tem Projeto Serviço Social Informa; dia 20, Caminhada Verde no Parque das Dunas, a partir das 8h; dia 27, Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço e no dia 30, Café da Manhã no auditório do Hospital Luiz Antônio, encerrando o Julho Verde.

Sobre a Campanha

O Julho Verde acontece em várias partes do Brasil por meio da SBCCP, a Associação do Câncer de Boca e Garganta (ACBG) e instituições parceiras, que juntas fazem apelo à população para que haja atenção aos primeiros sinais da doença e, que assim, o paciente possa ter mais chances da cura. Mudanças de hábitos, como alimentação saudável, prática de exercícios físicos, ter uma boa higiene pessoal, cuidados com exposição solar, não fumar, consumir bebida alcóolica com moderação e manter relações sexuais com preservativos, podem contribuir e muito para a prevenção do câncer de cabeça e pescoço.

O câncer de cabeça e pescoço são tumores que nascem nas regiões aerodigestivas (amígdalas, boca, bochechas, faringe, gengivas, laringe, língua e seios paranasais). É preciso ter atenção com as feridas na boca ou na pele que não cicatrizam, mau hálito frequente, garganta irritada, dificuldade para mastigar ou engolir e rouquidão por mais de duas semanas. Ao identificar tais sintomas, procure um médico.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCa), estima-se que a cada ano sejam diagnosticados 640 mil novos casos de câncer. Sendo o de cabeça e pescoço, o segundo mais recorrente em homens (8,9%) e o quarto com mais incidência em mulheres (6,3%), com exceção do câncer de pele não melanoma, que também é considerado câncer de cabeça e pescoço e um dos que mais matam a população.

Ainda segundo o INCa, é esperado a cada ano 43 mil novos casos de câncer de cabeça e pescoço no Brasil. São 10 mil mortes ao ano, decorrentes do câncer de laringe e cavidade oral. Tudo isso decorrente do diagnóstico tardio.