( Foto: José Aldenir / Agora RN ) Manifestantes revoltados incendiaram Avenida do Contorno, nas proximidades do Paço da Pátria

Um grupo de manifestantes fechou a Avenida Governador Rafael Fernandes, no bairro Cidade Alta, na altura da comunidade Paço da Pátria, na tarde desta sexta-feira, 14. Eles protestam contra a morte de um homem que aconteceu na manhã desta sexta durante uma operação do Batalhão de Choque.

O objetivo da ação era apreender novamente o adolescente envolvido na morte de Luiz Benes, a pedido do Ministério Público do RN. Ele havia sido liberado pela Justiça na última quinta-feira, 13.

A chegar no local, o menor estava em companhia de um homem em posse de uma arma .40. Quando os agentes policiais chegaram ao local para apreender o adolescente, houve confronto. O menor envolvido no caso Benes foi apreendido e o outro rapaz veio a óbito no local após troca de tiros com a polícia. Drogas e a arma utilizada pelo suspeito, bem como munições, foram encontradas e apreendidas.

O capitão Fábio Mussuly do 1º Batalhão da PM informou que segue monitorando o local. “Em caso de algum delito, iremos intervir. Se necessário, o pessoal vai ser retirado do local”, esclareceu.

No final da tarde, agentes do Bope, do BPChoque, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e da Guarda Municipal de Natal, realizaram intervenção no Paço da Pátria em busca de outros envolvidos ou cúmplices do suspeito morto. Revistas estavam sendo realizadas em veículos que entravam e saiam da comunidade.

Resultado

O adolescente apreendido foi encaminhado ao Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Infrator (Ciad). A apreensão foi concedida pela Justiça potiguar, atendendo ao pedido do MPRN que havia pleiteado a internação provisória do adolescente, pelo menos até o prazo somado de 45 dias até que seja expedida a sentença do processo, em virtude da abertura de novas vagas.

O pedido do MPRN baseou-se na abertura de 18 novas vagas no sistema socioeducativo, desinterditadas pela Justiça de Parnamirim e de Mossoró. Dessa forma, a decisão que soltou o adolescente na quarta-feira, 12, foi reformada. O MPRN argumentou que a sentença deveria ser reformada “em virtude dessas vagas surgidas, há local para internação do representado, que não merece ser remido no caso, mas internado, ao final do processo, por ter colaborado, mesmo que indiretamente com a morte da vítima”.

Caso Luiz Benes

O filho do ex-prefeito do município de Lajes, Benes Leocádio, morreu após ser baleado durante um sequestro relâmpago no dia 15 de agosto, em Natal. Ele foi rendido por dois bandidos no bairro Tirol, nas proximidades da Praça Augusto Leite.

Durante a troca de tiros com policiais do 4º Batalhão da PM, o filho de Benes Leocádio foi alvejado e levado às pressas para a UPA de Pajuçara, mas não resistiu ao ferimento. Ainda no tiroteio, um dos bandidos também morreu no local, o segundo foi apreendido (sob afirmação de que tinha 16 anos) e levado à Central de Flagrantes. Um revólver calibre .58 foi apreendido com os bandidos.