Na mesma semana em que materiais de ordem inestimável para a História do Brasil e do mundo são perdidos em decorrência do incêndio que dizimou o Museu Nacional, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte se debruça sobre o passado colonial ao acolher, entre os dias 05 e 08 de setembro, o VII Encontro Internacional de História Colonial (VII EIHC).

Tendo como tema Espaços coloniais: domínios, poderes e representações, o VII EIHC reunirá pesquisadores, professores, estudantes e amantes da História que, ao longo de quatro dias, vão debater os assuntos que estão na vanguarda da historiografia colonial brasileira. Neste Encontro que é o maior espaço de difusão de conhecimento sobre as experiências e legados da expansão europeia durante os séculos XVI a XVIII, será possível aproximar passado e presente, na medida em que o primeiro repercute sobre o segundo. A colonização portuguesa no Brasil, em conexão com outras partes da América e de outros continentes, será uma das matérias em destaque.

O Encontro Internacional de História Colonial chega em 2018 a sua sétima edição e é promovido pelo Laboratório de Experimentação em História Social (LEHS), vinculado ao Departamento de História da UFRN, e pelo curso de Licenciatura em História da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

O evento que se constitui como um amplo espaço de debate e aprendizado sobre a História Colonial contabiliza 486 trabalhos inscritos. Na vasta programação há apresentação de banners, 30 simpósios temáticos, 2 conferências, 22 mesas redondas, 12 minicursos e lançamentos de livros.

A conferência de abertura intitulada Convergência e divergência transnacional no estudo do colonialismo interno, será proferida por Hal Langfur, professor na University of Buffalo, Estados Unidos. A conferência acontece no dia 05 (cinco), às 19h, no auditório do Hotel eSuites Vila do Mar. Já as demais atividades do Encontro serão realizadas nas dependências da UFRN, Campus Natal.