SESED tem feito operações nas Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs), como a que ocorreu dia 9, no bairro de Dix-sept Rosado (Foto: Alex Régis)

Por Aura Mazda
Tribuna do Norte

Deixar um veículo estacionado em vias públicas e até em estabelecimentos privados tem sido motivo de preocupação constante e medo pela população do Rio Grande (sem sorte) do Norte. Este ano, pelo menos 5 mil veículos já foram roubados ou furtados em território potiguar, quando se soma aos registros de janeiro a julho, as ocorrências de um único dia deste mês de agosto – a terça-feira (9/08), quando em uma noite 16 carros foram roubados, em Natal.

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte (SESED), até 31 de julho, foram 4.988 registros, uma quantidade equivalente a 94,41% do total roubado durante todo ano de 2015, e 14,71% superior ao mesmo período de 2016.

Diariamente, a população do RN tem vivido momentos de terror e passa a fazer parte das estatísticas de violência. Se, nos próximos meses, os números se mantiveram no mesmo ritmo, o RN terá, ao final do ano, mais de 8,2 mil roubos de veículos registrados este ano. O cenário “alarmante” reflete diretamente nas seguradoras de automóveis no RN, que procuraram o poder público para cobrar mais segurança e apontaram prejuízos para o mercado de seguros e para a população.

Os representantes do setor de seguros projetam prejuízos com o aumento na quantidade de pagamentos de sinistros, e a consequência são percentuais de reajustes mais altos no valor pago para ter um seguro, tornando-os mais caros. “Quanto maior a sinistralidade, como chamamos essa indenização, maior será o valor cobrado da população”, avaliou o gerente da filial HDI Seguros, Jorge Fagundes.

Em nota, a SESED disse que a Polícia Civil tem se empenhado em elucidar e coibir os crimes de furto e roubo de veículos no Estado. Segundo o Delegado Geral de Polícia Civil, Correia Júnior, existe uma ação conjunta entre Polícia Civil, Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE), Polícia Militar e Secretaria de Tributação em cima das empresas que fazem a revenda de peças de veículos.

Para ler a matéria na íntegra CLIQUE AQUI