Flávio Rocha tem interesse em disputar a presidência do Brasil, de acordo com Gaudênio Torquato (Foto: José Aldenir / Agora Imagens)

Do portal Agora RN – Líder do Grupo Guararapes, o empresário Flávio Rocha será candidato à Presidência da República em 2018. A informação foi confirmada pelo consultor político e professor Gaudêncio Torquato, em contato com a reportagem do Agora Jornal. De acordo com Torquato, Rocha lhe confidenciou seu desejo de disputar a sucessão nacional durante retorno de viagem a Mossoró.

“No avião, perguntei se ele era candidato. Ele disse ‘sou candidato’. Flávio já recebeu algumas propostas de partidos e as está analisando, enquanto cumpre seus compromissos do Brasil 200. Segundo ele, é para valer. Ele recebeu em almoço o presidente do PRB, Marcos Pereira, mas tem conversado com outros partidos também”, contou.

Na opinião do especialista, além dos nomes já conhecidos que vão disputar a presidência do Brasil, Flávio também tem o tempo como adversário na corrida ao Palácio do Planalto.

“Eu falei para ele que ele vai lutar contra o tempo. A equipe dele acredita que vai dar tempo, sim, mas tenho minhas dúvidas se a candidatura vai conseguir criar volume. Ele tem condições de percorrer o Brasil, então pode ser que ele consiga ir em frente. Na política tudo é possível”.

“Desunião do centro favorece extremos ideológicos”

Professor Gaudênio Torquato pede que candidatos do centro se integrem – Foto: Veja

O professor Torquato defendeu a integração dos políticos de centro. Para ele, a dispersão de Rodrigo Maia (DEM); Henrique Meirelles (PSD); Geraldo Alckmin (PSDB) e Álvaro Dias (PV) pode favorecer os candidatos com ideologias mais extremas.

“Eles têm que se unir em torno de uma candidatura. Essa dispersão favorece aos extremos ideológicos. Se houver uma integração dos nomes do centro, é possível que o centro trabalhe em perspectiva de vitória”, analisou.

De acordo com Torquato, dois nomes que podem ser protagonistas nas eleições deste ano são o do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do vice-presidente do PDT, Ciro Gomes. “Alckmin tem muito a crescer e acredito que Ciro Gomes também se destaque, inclusive indo ao segundo turno com Alckmin. Claro que depende de fatores, como tempo de televisão. Além disso, a campanha neste ano será mais curta. Isso tende a favorecer os nomes mais conhecidos”, frisou o analista.