Penitenciária de Alcaçuz após a rebelião em janeiro de 2017 (Foto: ANDRESSA ANHOLETE/AFP)

Presos de Alcaçuz voltam a emitir sinais do descontrole do Estado em relação ao sistema prisional e a unidade é uma bomba relógio prestes a explodir como a matança ocorrida em janeiro de 2017. No último fim de semana, dois presos foram assassinados.

E segundo declarou ao G1 o delegado Eloy Xavier, titular da Delegacia de Polícia Civil de Nísia Floresta, onde fica a penitenciária, os dois presos tinham recentemente deixado o Primeiro Comando da Capital (PCC) para fundarem uma nova facção criminosa: a ‘Legião do Norte’.

O Governo do Estado continua sem reconhecer a presença de facções criminosas no sistema prisional potiguar.

Blog do Heitor Gregório/TN