PF, PRF, Depen e a Secretaria de Segurança Pública (incluindo a Força Nacional) ficarão subordinados ao novo ministério (Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO)

O presidente Michel Temer (MDB) anuncia nesta segunda-feira (26/2) a criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública.

Segundo a colunista Andrezza Matais, da Coluna do Estadão, a nova pasta será comandada pelo atual ministro da Defesa, Raul Jungmann. No lugar dele, ficará o general Joaquim Silva e Luna. Ele foi chefe do Estado Maior do Exército.

A Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e a Secretaria de Segurança Pública (incluindo a Força Nacional) ficarão subordinados ao novo ministério.

Serão criados apenas os cargos de ministro, secretário e nove postos de assessoria. Os demais serão mera transposição da Justiça para a Segurança Pública.

“A relevância e a urgência falam por si, a intervenção no Rio tornou mais urgente essa medida. Vários estados estão preocupados com segurança pública”, afirmou o ministro da Justiça, Torquato Jardim, ao deixar o Palácio do Jaburu, após reunião com o presidente Temer e outros ministros nesse domingo (25).

O ministério será extraordinário enquanto durar o mandato de Temer. O próximo presidente da República poderá torná-lo efetivo se assim o desejar.